BOVESPA-Índice opera estável por commodities e bancos

terça-feira, 2 de setembro de 2008 11:38 BRT
 

SÃO PAULO, 2 de setembro (Reuters) - No dia de retomada dos negócios em Wall Street, a Bolsa de Valores de São Paulo operava perto da estabilidade na manhã desta terça-feira, com a queda de ações relacionadas a commodities se contrapondo a um notório avanço no setor bancário e otimismo externo.

Às 11h35, o Ibovespa .BVSP, principal índice da bolsa paulista, operava em leve baixa de 0,01 por cento, aos 55.155 pontos. O volume financeiro era de 1,3 bilhão de reais.

Num dia de forte queda na cotação do petróleo nos Estados Unidos CLc1, as ações da Petrobras (PETR4.SA: Cotações) recuavam 1,37 por cento, para 33,74 reais, enquanto o setor aéreo novamente se beneficiava de um menor preço da commodity. A Gol GOLL4.SA figurava entre as maiores alta, disparando 2,27 por cento, a 15,33 reais.

Era também a forte queda no petróleo que beneficiava o mercado norte-americao, no qual os principais índices subiam mais de 1 por cento, esperançosos sobre uma recuperação no gastos das empresas e do consumidor.

"O mercado aqui abriu fraco em função das commodities, mas lá fora a recuperação está tão forte que acaba reforçando o mercado aqui também", afirmou Álvaro Bandeira, diretor da corretora Ágora.

A retomada dos negócios em Wall Street com otimismo deve ainda ajudar a Bovespa a retomar um volume de negócios mais forte que o observado nos últimos pregões. Na segunda-feira, o giro de 2 bilhões de reais foi o menor desde março de 2007.

No Ibovespa era o segmento bancário que mais reforçava o índice. As units do Unibanco UBBR11.SA subiam 3,89 por cento, para 19,76 reais, enquanto o Bradesco BBDC4.SA tinha alta de 3,26 por cento, para 30,44 reais.

Segundo operadores, o início do mês com viés mais otimista para as instituições financeiras nos Estados Unidos ajudava os bancos brasileiros.

Na outra ponta, a queda no preço dos metais prejudivaca o setor de siderurgia. A Vale (VALE5.SA: Cotações) perdia 0,67 por cento, a 37,25 reais, enquanto a CSN (CSNA3.SA: Cotações) tinha desvalorização de 2,19 por cento, a 55,75 reais.

(Reportagem de Rodolfo Barbosa e Filipe Pacheco; Edição de Vanessa Stelzer)