Bradesco investiga legalidade de incorporações pelo BB

terça-feira, 2 de outubro de 2007 17:57 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - O presidente do Bradesco, Márcio Cypriano, disse nesta terça-feira que a área jurídica do banco está estudando a legalidade de incoporações de bancos estaduais pelo Banco do Brasil .

"A nossa área jurídica tem levantado o assunto e eles estão entendendo que ao transferir o controle acionário de uma instituição estadual ou federalizada para o Banco do Brasil você está efetuando uma privatização e para uma privatização se exige legalmente uma oferta pública", disse o presidente do banco em entrevista coletiva antes da realização de reunião com analistas, em São Paulo.

"O Banco do Brasil é economia mista... é como se fosse um banco privado, porque ele tem acionistas pessoa física também", explicou o executivo.

O Banco do Brasil afirmou recentemente que estudava a incorporação do Banco do Estado do Piauí (BEP) e a compra do Banco de Brasília. O BB também negocia há meses a incorporação do Banco do Estado de Santa Catarina (Besc).

"O certo seria ter uma privatização ou uma concorrência pública onde você tivesse outros participantes que provavelmente até arrecadassem mais", disse Cypriano.

"Nos pareceres que estamos coletando, tudo indica que é necessário uma licitação para se vender um bem público. Por enquanto a gente vai aguardar e ver o que eventualmente acontece", acrescentou ele, lembrando que algumas operações, como a da folha de pagamentos do governo do Estado de Santa Catarina estão na Justiça.

A folha de pagamento de Santa Catarina foi leiloada no ano passado por 210 milhões de reais. O Bradesco venceu o leilão, mas o pagamento não foi feito por decisão do Supremo Tribunal Federal após questionamento da União, que entendia que ela deveria permanecer com o Besc .

"A gente não está dizendo que vai ou não vai fazer...A gente está alertando que existe esse risco. Agora é claro que o banco vai defender seus interesses."

(Por Juliana Siqueira)