BOLSA EUROPA-Bancos caem e pressionam baixa dos mercados

segunda-feira, 2 de junho de 2008 08:59 BRT
 

Por Patrizia Kokot

PARIS, 2 de junho (Reuters) - As principais bolsas européias operavam em queda na manhã desta segunda-feira, dando fim a uma sequência de três sessões de alta, com o setor bancário sendo atingido por notícias negativas da financeira britânica Bradford & Bingley BB.L.

As ações da Bradford & Bingley despencavam 24 por cento depois que a instituição informou no domingo que seu presidente-executivo deixou a companhia. E nesta segunda-feira, a instituição fez um alerta sobre o mercado de hipotecas britânico e cortou preço de seu capital emergencial para assegurar recursos da a empresa de investimentos norte-americana Texas Pacific Group.

Os problemas da instituição trouxeram mau humor ao setor. A Alliance & Leicester ALLL.L perdia 4,6 por cento, a HBOS HBOS.L recuava 8,8 por cento, o UBS UBSN.VX tinha baixa de 3,6 por cento e o UniCredit (CRDI.MI: Cotações) cedia 1,9 por cento.

Às 8h55 (horário de Brasília), o índice FTSEurofirst 300 .FTEU3 perdia 1,19 por cento, para 1.318 pontos.

"Isso reacende temores sobre o setor bancário, e provavelmente iremos ver mais baixas contábeis em ativos no mercado, mas há alguma esperança pelo menos, de que a Taxas Pacific vá para o resgate. O setor ainda está com problemas, mas os riscos sistêmicos estão para trás", afirmou Chicuong Dang, analista de ações na Richelieu Finance.

"Mais uma vez a crise de crédito é o destaque. A bolha imobiliária está arrebentando e os bancos britânicos são os mais tingidos porque são os mais frágeis", apontou Romain Boscher, chefe de administração de ações no Groupama Asset Management, em Paris.

Ações do setor de energia também caíam, com o preço do petróleo abaixo dos 127 dólares o barril. A BP (BP.L: Cotações) cedia 1,3 por cento, a Royal Dutch Shell (RDSa.L: Cotações) recuava 1,2 por cento e a Repsol YPF (REP.MC: Cotações) tinha desvalorização de 2,4 por cento.

A Fiat SpA FIA.MI cedia 3,9 por cento, derrubada pelos comentários de domingo do seu presidente-executivo, Sergio Marchionne, que afirmou que as vendas de carros novos na Itália caíram mais de 20 por cento no mês passado na comparação com o mesmo período do ano passado.   Continuação...