BOVESPA-Mercado abre ano em queda por fatores externos e bancos

quarta-feira, 2 de janeiro de 2008 18:28 BRST
 

RIO DE JANEIRO, 2 de janeiro (Reuters) - O ano começou com notícias negativas para o mercado acionário do mundo inteiro, puxando para baixo também a Bolsa de Valores de São Paulo depois de uma valorização de mais de 40 por cento em 2007.

Dados indicando recuo da atividade industrial norte-americana e o preço do petróleo batendo a marca psicológica dos 100 dólares o barril marcaram o primeiro pregão do ano, que acabou a sessão com o Ibovespa em queda de 1,68 por cento, aos 62.815 pontos. O volume ficou em 4,5 bilhões de reais.

Os papéis dos bancos brasileiros despencaram logo após o ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciar no final da tarde a elevação da alíquota da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), como uma das medidas para compensar o fim da CPMF, o que ajudou a deprimir ainda mais o Ibovespa.

"O mercado já vinha em queda e as ações do setor financeiro ajudaram a empurrar ainda mais para baixo", avaliou o economista do banco Shcahin Silvio Campos Neto.

As ações preferenciais da Petrobras (PETR4.SA: Cotações), as mais negociadas no mercado de ações brasileiro, não se beneficiaram da alta do petróleo diante das demais incertezas sobre a economia norte-americana e fecharam em queda de 1,58 por cento, cotadas a 87,00 reais. Os papéis encerraram 2007 valorizadas em 84 por cento.

As ações da Vale (VALE5.SA: Cotações) também cederam à realização de lucros e terminaram o dia em queda de 2,86 por cento, cotadas a 49,30 reais, depois de alta de 90,8 por cento no ano passado.

Na contramão do mercado, as ações da Companhia Energética de São Paulo (CESP6.SA: Cotações) dispararam 5,39 por cento, cotadas a 45,77 reais, motivadas pelo processo de venda da participação do governo estadual na empresa.

Na avaliação do economista do banco Schahin, as incertezas em relação ao comportamento da economia norte-americana ainda vão manter o mercado brasileiro volátil por um bom tempo.

"Está muito difícil apostar para onde vai a bolsa com essas incertezas. Amanhã sai uma espécie de prévia do 'payroll' (índice que mede a criação de postos de trabalho nos Estados Unidos) que vai ser divulgado na sexta-feira, isso é que vai conduzir", disse Campos Neto.

(Reportagem de Denise Luna; Edição de Alexandre Caverni)