Mercado questiona credibilidade da Merrill, corretora se defende

sexta-feira, 2 de novembro de 2007 16:26 BRST
 

Por Tim McLaughlin

NOVA YORK (Reuters) - A credibilidade da Merrill Lynch foi posta em dúvida nesta sexta-feira após uma reportagem afirmar que a maior corretora do mundo tentou evitar baixas contábeis com a transferência de ativos de alto risco (subprime) para hedge funds.

As ações da Merrill, que afastou nesta semana seu presidente-executivo Stan O'Neal, desabaram para o menor nível em dois anos nesta sexta-feira. Às 16h20 (horário de Brasília), as ações tinham queda de 8,59 por cento.

As perdas ocorriam na esteira de uma reportagem do Wall Street Journal, que dizia que a corretora pode ter feito acordos com hedge funds para adiar perdas de bilhões de dólares com ativos de alto risco.

Mais tarde, a Merrill afirmou que não estava ciente de qualquer transação bilionária com apoio de hedge funds para reduzir a exposição da companhia e adiar baixas contábeis.

"Não temos razão para acreditar que qualquer transação inapropriada tenha ocorrido", declarou em comunicado. "Essas transações violariam claramente a política da Merrill Lynch."

A corretora acrescentou que a reportagem não tem dados específicos e está baseada em fontes anônimas.

Scott Berman, advogado da Friedman Kaplan Seiler & Adelman, disse que o propósito de uma transação desse tipo seria limpar o balanço da companhia. Ele não soube de nenhum caso envolvendo a Merrill.

"Eu não sei se é ilegal, mas certamente não cheira bem", afirmou Berman. "Se eu fosse acionista da Merrill, eu não ficaria contente com isso."

A Merrill chocou os investidores na semana passada ao anunciar baixas contábeis de 8,4 bilhões de dólares no terceiro trimestre. O prejuízo de 2,3 bilhões de dólares --maior prejuízo trimestral da história da companhia-- foi muitas vezes maior do que o previsto por O'Neal no começo de outubro.