23 de Outubro de 2007 / às 01:52 / em 10 anos

ANÁLISE-Fluxo equilibrado põe em dúvida atuação do BC no câmbio

Por Silvio Cascione

SÃO PAULO, 3 de outubro (Reuters) - A redução do expressivo ingresso de dólares no país justifica a interrupção das compras do Banco Central no mercado à vista, mas a recuperação do fluxo no final de setembro não garante a retomada das atuações, segundo analistas.

Nesta quarta-feira, o BC informou que o fluxo cambial líquido foi negativo em 3 milhões de dólares em setembro.

Apesar do primeiro resultado deficitário do ano, o número final mostrou uma forte recuperação ao longo do mês --já que até o dia 19 o fluxo era negativo em mais de 1 bilhão de dólares.

“O BC sempre fala que procura atuar no mercado cambial tendo em vista o fluxo, a liquidez”, lembrou Antonio Madeira, economista-chefe da MCM Consultores, para quem o vertiginoso fluxo positivo do primeiro semestre não será restaurado mesmo com a redução da turbulência no exterior e um possível novo corte do juro nos Estados Unidos.

“Acredito que o BC ainda pode ficar de férias”, brincou.

A oferta de dólares ao Brasil começou a recuar no final de julho, com o agravamento da crise de crédito no exterior. Na metade de agosto, com o avanço das cotações da moeda norte-americana, o BC deixou de realizar os leilões de compra que vinham sendo feitos diariamente havia quase um ano.

Massaru Nakayasu, economista-chefe do Banco de Tokyo-Mitsubishi, também é cético quanto à volta do BC ao mercado à vista.

Para ele, a maior cautela dos investidores e a gradativa diminuição do superávit comercial vão manter a entrada de dólares em um nível mais baixo até o final do ano.

“E normalmente no final do ano começa a sair mais dinheiro... O pagamento de lucros e dividendos, que tem todo mês, se concentra também”, acrescentou.

Sidnei Moura Nehme, diretor-executivo da NGO Corretora, concorda que o fluxo não justifica a atuação do BC, mas ressalva o atual patamar do câmbio.

Segundo ele, o dólar --que chegou na segunda-feira ao menor nível desde agosto de 2000-- pode atrair o BC às compras.

“O que impressiona é que o número (de fluxo) não é tão grande para o tamanho da queda da taxa... Existem fatores à margem do mercado (à vista) que o induz a trabalhar na linha da baixa”, comentou, em referência às apostas no mercado futuro pela queda da moeda norte-americana.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below