Commodities elevam dólar para maior patamar desde maio

quarta-feira, 3 de setembro de 2008 16:40 BRT
 

Por Fabio Gehrke

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou em alta pela terceira sessão consecutiva nesta quarta-feira com investidores se protegendo nos mercados derivativos em função do derretimento dos preços das commodities.

A moeda norte-americana subiu 0,90 por cento, a 1,678 real, maior nível de fechamento desde 9 de maio. Nas três primeiras sessões do mês, a divisa já acumula alta de 2,82 por cento.

"É a bolha das commodities que furou e o pessoal está cobrindo posições vendidas (nos mercados futuros de dólar)", afirmou um membro do departamento de câmbio da corretora Concórdia, explicando que com a forte deterioração dos preços das commodities, os investidores estão se desfazendo da aposta que tinham na queda do dólar. O índice Reuters-Jeffries de commodities recuava 0,50 por cento.

Segundo os últimos dados divulgados pela Bolsa de Mercadorias & Futuros, referentes a 2 de setembro, os investidores estrangeiros possuíam o equivalente a quase 2 bilhões de dólares em posição vendida frente aos mais de 4,5 bilhões de dólares na véspera.

Para Mario Battistel, gerente da Fair Corretora, a valorização do dólar nesta quarta-feira foi amplificada pelo fraco desempenho da Bolsa de Valores de São Paulo. Pouco antes do fechamento, o principal índice da Bovespa perdia 2,1 por cento.

Battistel lembrou ainda que o mercado doméstico também continua seguindo o cenário externo. "O dólar continua se valorizando frente as principais moedas globais." A moeda norte-americana atingia o maior patamar em 11 meses frente a uma cesta com as seis principais moedas internacionais.

A corretora Concórdia analisa de forma semelhante e ressalta que o fluxo de saída desta sessão está bastante "pesado" principalmente se comparado aos últimos dias, quando o mercado operou com um volume de negócios abaixo da média.

"A história é a mesma (dos últimos dias), mas ela foi mais exagerada hoje, trazendo um pouco de pânico", finalizou o funcionário da corretora, completando que qualquer notícia mexe no mercado, quando este "está sensível".

No meio da sessão, o Banco Central realizou um leilão de compra de dólares no mercado à vista. A autoridade monetária definiu a taxa de corte a 1,6705 real, e aceitou, segundo operadores, ao menos duas propostas.

(Por Fabio Gehrke; Edição de Alexandre Caverni)