JURO-Alta do dólar eleva taxas mesmo com alívio da inflação

quarta-feira, 3 de setembro de 2008 16:26 BRT
 

Por Silvio Cascione

SÃO PAULO, 3 de setembro (Reuters) - A escalada do dólar diante do real contaminou as projeções de juros nesta quarta-feira, com alta da maioria das taxas mesmo com novos sinais de enfraquecimento da inflação.

O contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) janeiro de 2010 subiu de 14,62 para 14,64 por cento, e o DI janeiro de 2012, o segundo mais negociado, avançou de 13,91 para 13,95 por cento.

No mercado de câmbio, a alta global do dólar e a queda do preço das commodities propiciaram um movimento de cobertura de posições que levou à terceira alta seguida da moeda norte-americana. O dólar BRBY encerrou a 1,678 real, maior fechamento desde 9 de maio.

"A alta do dólar, não só lá fora como aqui, acabou gerando uma incerteza em relação aos juros mesmo com a expectativa de IPCA mais baixo na sexta-feira", disse Marcelo Voss, economista-chefe da corretora Liquidez, em referência ao índice de preços usado pelo governo como referência para o sistema de metas de inflação.

Analistas ouvidos pela Reuters esperam que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) tenha subido apenas 0,31 por cento em agosto, após alta de 0,53 por cento em julho. O dado será divulgado na sexta-feira.

Nesta quarta-feira, a Fipe divulgou que o IPC desacelerou para 0,38 por cento em agosto, conforme esperado pelo mercado, após alta de 0,45 por cento no mês anterior. O Índice de Preços ao Consumidor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas mede a inflação no varejo de São Paulo.

A queda da inflação nas últimas semanas tem tido pouco efeito sobre as projeções de juros, já que o mercado avalia que o foco do Banco Central está nas expectativas de inflação para 2009. Os agentes esperam que o BC eleve a taxa básica de juro em 0,75 ponto percentual na semana que vem.

O Banco Central recolheu 41,9 bilhões de reais dos bancos no começo da sessão para controlar a liquidez do sistema financeiro. A operação teve prazo de um dia, com remuneração de 12,93 por cento ao ano.

(Edição de Alexandre Caverni)