Líder das Farc morto era contato francês por Ingrid--Kouchner

segunda-feira, 3 de março de 2008 09:34 BRT
 

PARIS (Reuters) - O alto líder das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) morto por forças da Colômbia era o contato da França nas negociações para tentar a libertação da refém franco-colombiana Ingrid Betancourt, disse o ministro francês de Relações Exteriores, Bernard Kouchner.

"É uma má notícia que o homem com que estávamos conversando, com quem nós tínhamos contato, tenha sido morto", disse Kouchner à rádio França Internacional. "Você vê como o mundo é mau?"

O Exército da Colômbia disse no sábado que tropas do país mataram Raúl Reyes, considerado por especialistas o número dois das Farc, numa das maiores perdas impostas à mais antiga guerrilha da América Latina.

A morte de Reyes aconteceu dias após ex-reféns das Farc terem dito que Betancourt recebia maus tratos e era mantida acorrentada, apesar de estar gravemente doente e mentalmente exausta.

Betancourt, ex-candidata à Presidência da Colômbia, também possui nacionalidade francesa. Ela é mantida refém na selva colombiana há seis anos, e sua libertação tornou-se uma importante questão política na França.

"Precisamos redobrar nossos esforços para falar sobre Ingrid Betancourt", disse Kouchner, acrescentado que ela está em "emergência médica".

A morte de Reyes, que aconteceu durante uma operação realizada além da fronteira colombiana com o Equador, enfureceu os presidentes de Equador e Venezuela.

Em Genebra, o vice-presidente da Colômbia, Francisco Santos, pediu ajuda internacional ao Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas para ajudar a libertar centenas de pessoas mantidas como reféns pelas Farc.

(Reportagem de Crispian Balmer e Jonathan Lynn)

 
<p>L&iacute;der das Farc morto era contato franc&ecirc;s por Ingrid. O alto l&iacute;der das Farc morto por for&ccedil;as da Col&ocirc;mbia era o contato da Fran&ccedil;a nas negocia&ccedil;&otilde;es para tentar a liberta&ccedil;&atilde;o de Ingrid Betancourt, disse o ministro franc&ecirc;s de Rela&ccedil;&otilde;es Exteriores, Bernard Kouchner. Foto do Arquivo. Photo by Willian Parra</p>