Valor justo de derivativos da ARACRUZ soma R$1,95 bi negativos

sexta-feira, 3 de outubro de 2008 09:45 BRT
 

SÃO PAULO, 3 de outubro (Reuters) - A Aracruz Celulose ARCZ6.SA informou no final da noite de quinta-feira que a empresa que contratou para avaliar sua exposição a derivativos calculou que o valor justo desses contratos é de 1,95 bilhão de reais negativos até 30 de setembro, porém, como as operações têm prazo médio de 12 meses, o resultado contábil no terceiro trimestre ficou positivo em 25 milhões de reais.

A companhia informou que por conta do prazo médio, "não está obrigada a desembolsar a quantia correspondente ao 'fair value'" (valor justo) dos contratos ajustado mensalmente imediatamente.

No final da semana passada, a companhia assustou o mercado ao informar que as perdas com os contratos de derivativos poderiam ter ultrapassado o limite acertado com o conselho de administração e que seu diretor financeiro, Isac Zagury, havia se licenciado do cargo.

O cálculo do valor justo levou em conta curva de juros, volatilidade e taxa de câmbio no fechamento que foram "extraordinariamente influenciadas pela elevada instabilidade dos mercados financeiros mundiais", informou a Aracruz.

Em 1o de agosto, nível mais valorizado do real contra o dólar neste ano, a moeda brasileira acumulou desvalorização de quase 30 por cento até quinta-feira.

A Aracruz divulgou ainda que o efeito da variação cambial sobre a dívida em moeda estrangeira será negativo em 330 milhões de reais no trimestre, valor "parcialmente" compensado por receitas sobre os ativos em dólares. A companhia exporta mais de 90 por cento de sua produção.

A posição de caixa e aplicações financeiras da Aracruz no final do mês passado era de aproximadamente 1,2 bilhão de reais, segundo o comunicado da companhia.

A empresa informou ainda que para reduzir o impacto da desvalorização do real, vem mantendo posição comprada em dólar futuro na BM&F de 538 milhões de dólares, atualmente a uma taxa média de 1,91 real por dólar.

A Aracruz havia marcado inicialmente para a semana que vem a divulgação de seus resultados de terceiro trimestre, mas diante da avaliação das posições da empresa com derivativos resolveu adiar a publicação do balanço para o dia 17.

(Reportagem de Alberto Alerigi Jr.; Edição de Marcelo Teixeira)