Venezuela e Equador enviam tropas para fronteira da Colômbia

segunda-feira, 3 de março de 2008 09:32 BRT
 

Por Saul Hudson e Alonso Soto

CARACAS/QUITO (Reuters) - A Venezuela e o Equador deslocaram no domingo tropas para a fronteira com a Colômbia em reação a um ataque aéreo das forças colombianas contra guerrilheiros abrigados em território equatoriano, a ação, segundo Caracas, pode desencadear uma guerra.

No caso venezuelano, o deslocamento inclui tanques e aviões, e os diplomatas do país foram retirados de Bogotá. É o pior atrito entre os dois países nos últimos anos. O presidente venezuelano, Hugo Chávez, ordenou o fechamento da embaixada do país em Bogotá por prazo indeterminado.

O governo do Equador expulsou o embaixador colombiano em Quito e retirou o seu de Bogotá, acusando a Colômbia de ter violado propositalmente sua soberania.

A Colômbia pediu desculpas pela incursão militar, mas disse que a operação contra o acampamento dos rebeldes era necessária porque seus soldados estavam sendo alvos a partir do lado equatoriano.

Mas o governo colombiano, aliado dos EUA, disse também ter encontrado no acampamento documentos que vinculam o presidente esquerdista do Equador, Rafael Correa, aos guerrilheiros. A acusação é negada pelo Equador porque a evidência não foi apresentada a escrutínio público.

"Deus nos livre de uma guerra, mas não vamos permitir que violem nosso território soberano", disse Chávez.

A operação militar de sábado resultou na morte de Raúl Reyes, considerado o número 2 da guerrilha Farc, a maior da Colômbia. O ataque usou aviões de combate e tropas em terra mobilizados contra um acampamento no Equador, num duro golpe contra o grupo guerrilheiro mais antigo da América Latina.

Chávez já alertou que incursões em seu país podem "causar uma guerra" e ameaçou enviar seus caças russos contra a Colômbia caso as tropas do país façam na Venezuela o mesmo tipo de infiltração que houve no Equador.   Continuação...