Após fusão, BM&F Bovespa prepara-se para internacionalização

terça-feira, 3 de junho de 2008 16:26 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - Menos de um ano depois da abertura do capital e dois meses depois da fusão, a BM&F Bovespa começa a preparar sua internacionalização.

"Temos um papel a cumprir no cenário internacional", disse nesta terça-feira Gilberto Mifano, recém-nomeado presidente do conselho de administração da holding, em palestra a profissionais de mercado.

Mifano salientou que ainda não há nenhuma operação específica em estudo, mas que uma integração dos mercados na América Latina faz parte da estratégia.

"Com a fusão da Bovespa com a BM&F, nós nos tornamos uma das maiores bolsas do mundo, viramos um player global. Oportunidades (de aquisições) vão ser consideradas, desde que façam sentido estratégico e dêem retorno para os acionistas", acrescentou.

O executivo avaliou ainda que a concessão ao Brasil do selo de investimento seguro pelas agências Standard & Poor's e Fitch terá reflexos positivos para o mercado acionário no Brasil.

Um deles é a retomada das ofertas públicas iniciais de ações (IPO, na sigla em inglês) no segundo semestre. "É possível que retomemos os níveis de 2006", disse.

No ano passado, o volume captado em ofertas iniciais de ações na Bovespa somaram 30,1 bilhões de dólares, segundo dados da Thomson Reuters, um aumento de 296 por cento em relação aos 7,6 bilhões de 2006. No acumulado de 2008 até esta terça-feira, o total captado por esse meio era inferior a um bilhão de dólares.

Mifano acredita ainda que o volume diário de negócios no mercado doméstico deve continuar crescendo. Desde a elevação da nota soberana brasileira pela S&P, em 30 de abril, o volume médio da Bovespa já subiu 21,5 por cento.

(Reportagem de Aluísio Alves)