Executivos do ABN Amro cobram US$1,11 bi em bônus, diz jornal

segunda-feira, 3 de dezembro de 2007 09:34 BRST
 

AMSTERDÃ (Reuters) - Importantes executivos do ABN Amro estão ameaçando iniciar um confronto com o Royal Bank of Scotland sobre 750 milhões de euros (1,11 bilhão de dólares) em bônus que eles querem receber, publicou um jornal holandês nesta segunda-feira. "Se não recebermos o dinheiro eu espero uma revolta", afirmou um executivo do ABN, que pediu para não ter seu nome revelado, ao diário Het Financieele Dagblad.

O ABN Amro foi comprado por um consórcio liderado pelo RBS e que inclui o Santander e o Fortis, por 70 bilhões de euros.

Os executivos da instituição holandesa, a maioria dos quais será transferida para o RBS enquanto alguns irão para o Fortis, querem que os bônus de lealdade, que eles recebem por ficar no ABN por três anos, sejam pagos em dinheiro o quanto antes.

Mas o jornal informou que tal pagamento será um problema grande para o RBS uma vez que o ABN não contabilizava os bônus em seu balanço. Em vez disso, o banco assumia os gastos como custos ao longo de quatro anos.

O jornal citou o porta-voz do RBS afirmando que o banco não decidiu como lidar com o pagamento dos bônus, mas disse que os direitos dos funcionários serão respeitados.

(Por Emma Thomasson)