Commodities levam Bovespa à pior queda desde março

terça-feira, 3 de junho de 2008 17:54 BRT
 

Por Aluísio Alves

SÃO PAULO (Reuters) - A forte queda nos preços de commodities e os temores de que bancos norte-americanos apresentem novas perdas com a crise de crédito contaminaram os negócios na Bolsa de Valores de São Paulo, que caiu pela segunda sessão, puxada por Petrobras e Vale.

Depois de ter chegado a cair mais de 3 por cento, o Ibovespa ainda desacelerou as perdas, mas não o suficiente para impedir a maior baixa desde 19 de março. O índice caiu 2,62 por cento, aos 70.011 pontos. O giro financeiro foi de 6,6 bilhões de reais.

As ações preferenciais da Petrobras caíram 4,7 por cento, a 47,45 reais, depois que o barril de petróleo caiu 2,7 por cento em Nova York, para 124,31 dólares.

Nas últimas semanas, a fraqueza da moeda norte-americana frente a outras divisas vinha sendo apontada por analistas como motivo para a elevação dos preços das commodities.

Mas a preocupação manifestada nesta terça-feira pelo chairman do Federal Reserve, Ben Bernanke, de que os altos custos do óleo provoquem pressões inflacionárias, foram interpretadas como sinal de que a autoridade monetária vai por fim ao ciclo de afrouxamento monetário no país.

Com isso, a moeda norte-americana passou a subir, provocando um desmonte de posições no mercado de commodities, cuja escalada recente vinha indiretamente sustentando sucessivas altas da Bovespa, ao inflar as ações de Petrobras e Vale, as mais importantes do mercado paulista. "A queda nas commodities está patrocinando uma realização de lucros dos investidores estrangeiros com Petrobras e Vale", disse Kelly Trentin, analista da corretora SLW,lembrando que a saída líquida de recursos de estrangeiros na Bovespa somou 3,45 bilhões de reais entre 20 e 29 de maio. Não bastasse isso, Wall Street também exerceu influência negativa sobre a bolsa paulista, devido ao temor de que sejam apresentadas novas perdas relacionadas à crise de crédito nos EUA, o que fez as ações de bancos puxarem uma queda de 0,81 do índice Dow Jones.

O movimento contaminou os negócios com papéis de instituições financeiras domésticas, como mostrou a queda de 3,7 por cento das ações ordinárias do Banco do Brasil, para 30,50 reais.

(Reportagem de Aluísio Alves)