BOVESPA-Índice vira e sobe com dado do setor de serviços dos EUA

quinta-feira, 3 de abril de 2008 11:51 BRT
 

SÃO PAULO, 3 de abril (Reuters) - O ritmo de realização de lucros que predominava no início da sessão desta quinta-feira na Bolsa de Valores de São Paulo perdeu força, após a divulgação de dados sobre a economia norte-americana melhores que o esperado.

Depois de chegar a cair 0,9 por cento logo nos primeiros minutos do pregão, com a informação de que os pedidos iniciais de auxílio-desemprego nos Estados Unidos aumentaram para o maior nível desde setembro de 2005, o Ibovespa .BVSP apontava alta de 0,51 por cento, aos 63.687 pontos, às 11h50.

Segundo especialistas, a reviravolta veio com a divulgação de que o setor de serviços dos EUA contraiu-se menos que o esperado em março. Na Bolsa de Valores de Nova York, o índice Dow Jones .DJI esboçou recuperação, mas voltou a perder força e recuava 0,35 por cento.

"A gente imaginava que haveria realização de lucros na Bovespa após três sessões em alta, mas acabou revertendo após o ISM", disse Ricardo Tadeu Martins, gerente de pesquisa da Planner Corretora, referindo-se ao indicador de serviços.

As blue chips da bolsa paulista puxavam o Ibovespa para cima. As ações preferenciais da Petrobras (PETR4.SA: Cotações) subiam 1,3 por cento, a 78,80 reais, enquanto as da Vale (VALE5.SA: Cotações) avançavam 0,9 por cento, a 51,75 reais. O diretor financeiro da Vale, Fabio Barbosa, afirmou nesta quinta-feira que "a compra da Xstrata está morta".

Nadando contra a corrente, as ações preferenciais da Brasil Telecom BRTP4.SA caíam 2,7 por cento, a 25,55 reais, após os jornais desta quinta-feira veicularem que a compra da companhia pela Oi, esperada pelo mercado para ser anunciada brevemente, pode atrasar devido a ajustes finais que precisam de resolução. As ações preferenciais da Oi TNLP4.SA cediam 0,3 por cento, cotadas a 47,20 reais.

SAÍDA DE ESTRANGEIROS

O saldo de investimentos estrangeiros na Bovespa em março ficou negativo em 1,9 bilhão de reais, elevando o déficit acumulado em 2008 para 5,78 bilhões de reais.

Em contrapartida, a entrada líquida de recuros de investidores pessoa física foi de 2,56 bilhões de reais em março.

(Por Aluísio Alves; Edição de Daniela Machado)