Proposta francesa por SocGen é preferível, reitera autoridade

domingo, 3 de fevereiro de 2008 19:28 BRST
 

PARIS (Reuters) - Claude Gueant, chefe-de-gabinete do presidente Nicolas Sarkozy, reiterou neste domingo que a França prefere que qualquer proposta pelo banco Société Generale seja doméstica, não de algum grupo internacional.

"Seria melhor se (a proposta) fosse francesa ao invés de estrangeira", disse Gueant ao programa "Grand Rendez-Vous".

Gueant também repetiu comentários feitos anteriormente de que a França acha melhor uma proposta "amigável" pelo Société, ao invés de qualquer oferta hostil.

Ele acrescentou, entretanto, que a França não possui meios legais para se opor a qualquer proposta de bancos estrangeiros e que o Société pode permanecer independente.

O banco francês é visto como potencial alvo de aquisição desde que foi revelada, em 24 de janeiro, uma fraude de 4,9 bilhões de euros (7,28 bilhões de dólares) de perdas, cuja culpa foi atribuída às más negociações financeiras feitas por Jerome Kerviel, um operador de 31 anos.

Kerviel está sob investigação.

(Reportagem de Sudip Kar-Gupta)