Contratos da Petrobras para 12 sondas atingem US$8 bi

quarta-feira, 4 de junho de 2008 15:42 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O diretor financeiro da Petrobras, Almir Barbassa, informou nesta quarta-feira que os contratos de afretamento de 12 sondas de perfuração pela empresa atingiram o valor de 8 bilhões de dólares.

Ele ressaltou que, por se tratarem de contratos de longo prazo, cerca de 6 a 7 anos, a Petrobras conseguiu reduzir as diárias pagas pelas unidades.

"Enquanto o mercado está falando numa faixa de 600, 700 mil dólares por dia, nós ficamos na faixa de 400, 450 mil dólares, isso é um diferencial fantástico para a empresa", disse Barbassa a jornalistas após palestra para executivos de finanças.

O diretor informou que para tentar reduzir seus custos na contratação de unidades de exploração e produção, cuja demanda aumentou no planejamento da estatal devido à descoberta de reservas gigantes na camada pré-sal da costa brasileira, a Petrobras vai integrar, pela primeira vez, um fundo de investimento para disponibilizar capital de risco para a indústria nacional.

O fundo, com capital inicial de 100 milhões de reais, será feito em parceira com o Banco do Brasil e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). A Petrobras entrará com 10 por cento desse total, informou.

"Está em fase final de estruturação e é para financiar pequenas e médias empresas fornecedoras da Petrobras, que vai adiantar recursos para essas empresas para elas terem capital de giro", explicou o executivo.

Sobre financiamentos para a empresa desenvolver a produção dos blocos na camada pré-sal, que por ser muito profunda demandará recursos elevados, Barbassa explicou que a demanda mais forte por recursos para a nova área deverá ocorrer a partir de 2010, por isso não há necessidade imediata.

Este ano, a previsão continua sendo a captação de 5 bilhões de dólares, ainda não executada pela companhia.

Na avaliação de Barbassa, os investimentos mais pesados para produzir o petróleo e o gás natural na camada pré-sal vão coincidir com uma fase em que a Petrobras estará produzindo muito mais petróleo do que hoje, o que poderá ajudar a financiar grande parte dos investimentos com o próprio caixa.   Continuação...