Greve no Sul prossegue e Volkswagen e Renault seguem paradas

quinta-feira, 4 de setembro de 2008 14:41 BRT
 

Por Alberto Alerigi Jr.

SÃO PAULO (Reuters) - As fábricas de veículos da Volkswagen e da Renault e Nissan no Paraná continuam paradas pelo quarto dia consecutivo depois que metalúrgicos rejeitaram nova proposta salarial feita pelas empresas na noite de quarta-feira. No ABC paulista, trabalhadores decidiram cruzar os braços nos turnos extras de finais de semana enquanto a negociação salarial prosseguir.

A paralisação no Sul, segundo o Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba, afeta cerca de 9 mil trabalhadores --4,5 mil da Volkswagen e o restante da Renault e Nissan-- e causou a perda de produção total de 6,6 mil veículos.

As montadoras não comentam o assunto, mas realizam nesta quinta-feira reunião com a categoria que pode decidir em assembléias na sexta-feira se continuam ou não de braços cruzados.

Os metalúrgicos do Paraná exigem reajuste de cerca de 13 por cento (7,6 por cento de reposição da inflação mais 5 por cento de reajuste real) e abono de 1,5 mil reais.

A proposta das montadoras discutida na noite de quarta-feira foi de 10 por cento de aumento (2,5 por cento de reajuste real mais a inflação acumulada nos últimos 12 meses) e o abono de 1,5 mil reais.

O problema para os metalúrgicos do Paraná é que a oferta das empresas foi do índice de reajuste ser aplicado a partir de novembro, no caso da Volkswagen, e dezembro (Renault). Os trabalhadores exigem que o aumento seja aplicado já a partir deste mês, data-base da categoria.

ABC PARADO NO FIM DE SEMANA

Na região do ABC paulista, grande pólo produtor de veículos do país, trabalhadores decidiram nesta quinta-feira que não haverá atividade nas montadoras de São Bernardo do Campo nos turnos extras de sábado e domingo, enquanto houver negociação salarial. Entre as empresas afetadas estão Volkswagen, Ford e Scania.   Continuação...