Arquiteto da fusão que criou Citigroup chama negócio de erro

sexta-feira, 4 de abril de 2008 10:46 BRT
 

NOVA YORK, 4 de abril (Reuters) - A fusão de 166 bilhões de dólares que criou o Citigroup (C.N: Cotações) em 1998 foi um erro que não conseguiu gerar benefício para os investidores, disse Jonh Reed, um dos principais mentores da operação, informou o Financial Times.

Reed, que trabalhou no pacto com Sandy Weill, disse ao jornal que não está claro se o modelo da companhia ou sua administração merece uma parcela maior da responsabilidade por seus problemas.

"A transação específica de fusão tem que ser considerada como um erro", disse Reed, ao jornal.

Como muitas companhias no setor financeiro, o banco tem sido afetado por apostas equivocadas em investimentos vinculados a hipotecas de risco e pela crise global de crédito.

Em janeiro, o Citi anunciou planos para levantar 14,5 bilhões de dólares em capital, reduzir dividendos e cortar 4.200 empregos para melhorar seu balanço após registrar baixas contábeis que levaram a instituição a sofrer prejuízo trimestral de 9,83 bilhões de dólares.

Representantes da instituição não estavam imediatamente disponíveis para comentar o assunto.

(Por Justin Grant)