PANORAMA2-Queda do petróleo pesa na Bovespa, que perde os 70 mil

quarta-feira, 4 de junho de 2008 17:29 BRT
 

Por Silvio Cascione

SÃO PAULO, 4 de junho (Reuters) - A queda do petróleo e de outras commodities voltou a pesar sobre a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) nesta quarta-feira, com queda de quase 2 por cento do principal índice em meio à influência negativa de Petrobras (PETR4.SA: Cotações) e da Vale (VALE5.SA: Cotações).

O desempenho de Wall Street não foi tão ruim, mas mostrou instabilidade. Somente o índice Nasdaq .IXIC garantiu alta, impulsionado pelo relatório do Instituto de Gestão de Fornecimento (ISM) que mostrou crescimento maior do que o esperado do setor de serviços dos Estados Unidos em maio.

"Quando você sai do setor financeiro, parece que a economia conseguiu desviar do tiro", disse Jim Awad, chairman da W.P. Stewart, em Nova York.

O resultado do emprego no setor privado também foi uma surpresa positiva. De acordo com o relatório da ADP Employer Services, foram gerados 40 mil postos de trabalho em maio, diante da expectativa de fechamento de 30 mil vagas.

Assim como na véspera, porém, a preocupação do chairman do Federal Reserve, Ben Bernanke, com as expectativas de longo prazo da inflação pesou sobre a maior parte do mercado acionário. A interpretação dos agentes é de que diminui o espaço para a continuidade do ciclo de cortes no juro.

Na política monetária do Brasil, a dúvida do mercado é sobre o tamanho da alta da Selic --0,50 ou 0,75 ponto percentual. No dia da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), os agentes preferiram manter a cautela, com alta da maioria das projeções no mercado de juro futuro.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fipe também não colaborou. Em maio, o IPC subiu 1,23 por cento, mais do que o dobro da alta de 0,54 por cento de abril e acima das previsões.

No mercado de câmbio, o dólar teve uma sessão volátil, mas fechou praticamente estável. A surpresa foi o pequeno superávit no fluxo cambial do mês passado --apenas 148 milhões de dólares, contra 6,723 bilhões de dólares em abril.   Continuação...