Frete marítimo sobe com demanda chinesa por commodities

quarta-feira, 4 de junho de 2008 14:49 BRT
 

LONDRES, 4 de junho (Reuters) - Os custos para transporte marítimo de matérias-primas como o carvão e o minério de ferro para a China atingiram patamares recordes e não devem recuar neste ano, afirmaram corretores na quarta-feira.

O índice de fretes capesize do Báltico .BACI, que monitora o transporte de cargas em navios com capacidade de 150 mil toneladas, atingiu 19.488 pontos, superando o recorde registrado em novembro e acumulando alta de 43 por cento desde o início do ano.

Já o índice de fretes marítimos do Báltico .BADI, mais abrangente, alcançou o recorde de 11.793 pontos em 20 de maio, e permanece nesta faixa, cotado a 11.623 pontos.

Além disso, o custo para o transporte de commodities em todo o mundo, especialmente para a China, deve continuar alto, de acordo com um analista da indústria.

"Acredito que a probabilidade é que as taxas de frete continuem muito, muito altas no curto prazo", avaliou.

Segundo o analista, a demanda por embarcações supramax era leve, mas a forte demanda por navios panamax e capesize, de maior capacidade, havia elevado a média de preços.

"A força está no granel, naqueles que movimentam minério de ferro e carvão", avaliou.

NEGOCIAÇÕES

A China tem buscado a Índia e o Brasil como alternativas para atender à demanda por minério no país, já que estão difíceis as negociações com as mineradoras australianas Rio Tinto (RIO.AX: Cotações)(RIO.L: Cotações) e BHP Billiton (BHP.AX: Cotações)(BLT.L: Cotações) em relação a taxas de frete e preços de longo prazo.   Continuação...