BOVESPA-Queda nas commodities derruba índice pelo 3o dia seguido

quarta-feira, 4 de junho de 2008 10:56 BRT
 

SÃO PAULO, 4 de junho (Reuters) - A Bolsa de Valores de São Paulo operava em queda na manhã desta quarta-feira, derrubada novamente pela baixa nos preços das commodities. Mantido o movimento, será o terceiro dia consecutivo de perdas, pressionado por fraco desempenho de blue-chips.

Às 10h54 (horário de Brasília), o Ibovespa .BVSP, principal índice da bolsa paulista, apresentava desvalorização de 0,96 por cento, a 69.336 pontos. O volume financeiro era de 902,6 milhões de reais. O índice acumula perdas de aproximadamente 3,5 por cento na semana.

"Hoje não está muito diferente de segunda e terça-feira, com a volta de parte da aversão ao risco. A fala do Bernanke de ontem desequilibrou o dólar e as commodities, que vêm sendo foco de pressão. Como empresas de commodities têm forte peso no Ibovespa, elas tendem a derrubar o índice mesmo", afirmou Álvaro Bandeira, diretor da corretora Ágora.

O maior giro do dia vinha das preferenciais da Petrobras (PETR4.SA: Cotações), que perdiam 2,11 por cento, para 46,45 reais, acompanhando a baixa no preço do petróleo. Nos Estados Unidos, o barril da commodity recuava 0,58 por cento, para 123,6 dólares.

Com segundo maior volume estavam as preferenciais da Vale (VALE5.SA: Cotações), com desvalorização de 1,53 por cento, para 51,64 reais, seguindo as perdas nos preços do metais no mercado mundial.

As ações da Gol (GOLL4.SA: Cotações) subiam 0,4 por cento, a 23,50 reais. A companhia aérea anunciou nesta quarta-feira estatísticas de tráfego de maio, com crescimento na taxa de ocupação das aeronaves em relação a maio de 2007.

Ações do setor de telecomunicações figuravam entre as poucas no terreno positivo. As ordinárias da Oi TNLP3.SA subiam 0,44 por cento, Vivo VIVO4.SA avançava 1,1 por cento e a TIM TCSL3.SA tinha alta de 1,5 por cento.

SALDO DE ESTRANGEIROS

Segundo dados disponibilizados pela bolsa paulista, o saldo de estrangeiros no mês de maio ficou positivo em 532 milhões de reais. Esse resultado provém de 49,666 bilhões de reais em compras e 49,134 bilhões de reais em vendas. No mês de maio, o Ibovespa registrou valorização de 7 por cento.

(Reportagem de Rodolfo Barbosa; Edição de Alberto Alerigi Jr.)