Alta de commodities pressiona mercados acionários na Ásia

terça-feira, 4 de março de 2008 08:04 BRT
 

Por Rafael Nam

HONG KONG (Reuters) - A maior parte dos índices acionários da Ásia fechou em baixa na terça-feira, com preocupações sobre uma demanda mais fraca dos Estados Unidos e sobre o efeito das altas recordes de commodities nos custos de muitas empresas.

Às 7h55 (horário de Brasília), próximo do fim dos negócios, o índice MSCI da Ásia Pacífico exceto Japão recuava 0,88 por cento, a 465 pontos. Na véspera, o índice registrou a pior queda percentual em seis semanas, de 3,1 por cento.

O índice japonês Nikkei fechou estável, a 12.992 pontos, depois de atingir o pior nível em seis semanas durante a sessão. Algumas empresas exportadoras subiram graças a uma maior estabilidade do iene, apesar de ações do setor financeiro continuarem fracas em meio às preocupações sobre o crédito.

Alguns focos de resistência estão evitando mais perdas na região, como na Coréia do Sul. A bolsa de Seul fechou em alta de 0,27 por cento, a 1.676 pontos, depois que dados mostraram que a produção no país aumentou 2,5 por cento em janeiro, mais que o esperado, após ajuste sazonal.

Em Taiwan, o principal índice avançou 2,5 por cento, para 8.470 pontos.

A japonesa Sony e a sul-coreana Samsung Electronics fecharam em alta depois da notícia de que irão investir 1,9 bilhão de dólares conjuntamente numa nova linha de produção de telas planas.

Mas as preocupações com os desdobramentos da crise das hipotecas de alto risco ainda eram o foco das atenções depois que as ações da norte-americana Thornburg Mortgage, financiadora imobiliária, caíram na segunda-feira com temores de que estaria enfrentando falência.

Na Austrália, a bolsa fechou em queda de 0,47 por cento, a 5.380 pontos.

Hong Kong, Índia e Cingapura também registraram perdas.

 
<p>A maior parte dos &iacute;ndices acion&aacute;rios da &Aacute;sia fechou em baixa na ter&ccedil;a-feira, com preocupa&ccedil;&otilde;es sobre uma demanda mais fraca dos Estados Unidos e sobre o efeito das altas recordes de commodities nos custos de muitas empresas. Photo by Issei Kato</p>