Lula volta a se queixar de ingerência de um poder sobre o outro

terça-feira, 4 de março de 2008 19:20 BRT
 

BRASÍLIA (Reuters) - Ao discursar na cerimônia de abertura da 14a Cúpula Judicial Ibero-Americana, no Superior Tribunal de Justiça (STJ), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a se queixar de intromissão de integrantes do Judiciário no Executivo.

"A ingerência de um poder sobre outro compromete a gestão e o atendimento do interesse do poder público", disse Lula, em nova referência às declarações de ministros do Supremo Tribunal Federal que emitiram juízo sobre programas do governo federal.

Quando lançou o programa Territórios da Cidadania, em Quixadá, no Ceará, na última quinta-feira, Lula reclamou dos que criticaram novos programas sociais em ano eleitoral e disse que seria bom que o Judiciário "metesse o nariz apenas nas coisas dele".

Lula abrandou o tom ao longo do discurso e considerou "natural e salutar" a controvérsia entre as esferas de poder.

"Onde não há dissensso, não há democracia", afirmou.

Perguntado após a cerimônia sobre se a paz com o Judiciário estava selada, o presidente respondeu que nunca esteve em guerra.

"O nome da minha campanha era Lula paz e amor", lembrou.

(Texto de Mair Pena Neto)