Desaceleração da economia afetará carteira do Bradesco em 2008

segunda-feira, 5 de novembro de 2007 15:14 BRST
 

Por Juliana Siqueira

SÃO PAULO (Reuters) - A desaceleração da economia no ano que vem deve reduzir levemente a expansão da carteira de crédito do Bradesco, que aposta no crescimento orgânico para enfrentar a concorrência.

"Se cair um pouquinho a expectativa do crescimento do PIB, para 4,37 (por cento), o que nós estamos projetando, a gente deve ficar entre 20 e 25 por cento", disse o presidente do maior banco privado do país, Márcio Cypriano, em conferência com jornalistas nesta segunda-feira, após a divulgação do balanço do terceiro trimestre.

A projeção para o crescimento da carteira de crédito do banco este ano foi mantida entre 21 e 27 por cento, enquanto a previsão para o PIB em 2007 é de avanço de 4,91 por cento.

Embora a taxa de expansão da concessão de crédito diminua um pouco, a expectativa do Bradesco é que a carteira continue crescendo. A concessão de crédito no país está atualmente em 33,1 por cento do Produto Interno Bruto Brasileiro e o banco estima que ela suba para 38,1 por cento ao final de 2008.

Segundo Cypriano, o impulso no ano que vem continuará vindo do crédito imobiliário, de veículos, do crédito consignado e do cartão de crédito.

"Vamos ter crescimento importante na pequena e média empresa", complementou. "Temos verificado que um número cada vez maior de empresas dos diversos setores tem aumentado seus investimentos e que o apetite por tomada de risco vem se ampliando a cada mês."

Este movimento já vem ocorrendo. No terceiro trimestre, a carteira de pequenas e médias empresas foi a que mais cresceu em relação ao mesmo período de 2006: 33,6 por cento, frente aos 28,5 por cento de pessoas físicas e 20,8 por cento de grandes empresas.

O Bradesco divulgou esta manhã aumento de 15 por cento no lucro líquido recorrente do terceiro trimestre, levemente acima da projeção média de seis analistas consultados pela Reuters.   Continuação...