PANORAMA2-Cautela predomina e ações sentem retração

segunda-feira, 5 de novembro de 2007 19:15 BRST
 

Por Silvio Cascione

SÃO PAULO, 5 de novembro (Reuters) - A preocupação com o setor financeiro internacional voltou a tomar conta dos negócios nesta segunda-feira, com queda das ações e menor apetite por risco entre os investidores.

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) foi o mercado mais afetado no Brasil, com queda de quase 2 por cento de seu principal índice. A baixa acompanhou as perdas em Wall Street, onde o índice de referência Dow Jones caiu quase 0,50 por cento.

A tensão era percebida principalmente nas ações do Citigroup (C.N: Cotações), que caíram quase 5 por cento na Bolsa de Nova York. O maior banco norte-americano não conseguiu garantir aos investidores que a possível baixa contábil de 11 bilhões de dólares originada em títulos hipotecários não possa crescer.

O Citigroup acabou de assistir à renúncia de Charles Prince como presidente. Gary Crittenden, vice-presidente financeiro do banco, disse sobre as perdas que "não há nenhum jeito, na minha opinião, para que alguém possa dar alguma certeza sobre como as coisas vão se comportar."

Além disso, o JP Morgan estimou que a perda com títulos atrelados a hipotecas pode resultar em baixas contábeis de 200 bilhões de dólares. Pelo menos 60 bilhões de dólares figurariam nos balanços das instituições financeiras.

"As pessoas simplesmente não sabem o que está nos balanços. Esse setor é um importante fator negativo (para o mercado), e vai continuar sendo por um tempo", disse Brian Gendreau, estrategista da ING Investment Management, em Nova York.

O mercado de câmbio no Brasil sentiu esse efeito, e o dólar teve a segunda alta consecutiva. O avanço, porém, foi limitado pela perspectiva de entrada de moeda no país.

Já os juros futuros tiveram um pregão enfraquecido pelo consenso de que o Comitê de Política Monetária (Copom) não cortará mais o juro básico neste ano.   Continuação...