5 de Agosto de 2008 / às 15:06 / em 9 anos

BOVESPA-Índice tem alta por ajustes antes de decisão do Fed

SÃO PAULO, 5 de agosto (Reuters) - A forte queda dos últimos pregões e o bom humor no mercado internacional davam espaço para que a Bolsa de Valores de São Paulo realizasse ajustes positivos nesta terça-feira, antes da decisão do Federal Reserve sobre a taxa de juro nos Estados Unidos.

Às 11h55 (horário de Brasília) o Ibovespa .BVSP, principal índice da bolsa paulista, apresentava valorização de 1,7 por cento, para 56.554 pontos. O volume financeiro era de 2,2 bilhões de reais.

Depois de perder cerca de 7 por cento nos últimos três pregões, acompanhando o fraco desempenho de empresas ligadas à commodities, o mercado aproveita o clima mais positivo no mercado internacional para ir às compras, enquanto aguardava a decisão do banco central norte-americano.

“Hoje o mercado sobe acertando as quedas excessivas dos últimos dias, ainda que as baixas nos preços das commodities prejudiquem as empresas com mais peso, e aproveitando um cenário positivo lá fora”, afirmou Carlos Alberto Ribeiro, diretor da Novação Distribuidora.

“Mas por enquanto, nada de mudança de tendência. Vamos ter uma idéia melhor do que vem por aí depois do Fed”, acrescentou.

A expectativa do mercado é que o Fed anuncie às 15h15 (horário de Brasília) a manutenção da taxa básica de juro no patamar de 2 por cento ao ano.

Em Wall Street os principais índices operavam em forte alta, com avanços superiores a 1 por cento. Uma nova queda na cotação do petróleo CLc1 e dados melhores que o esperado sobre o setor de serviços nos Estados Unidos ajudavam na recuperação parcial em Nova York.

No Ibovespa, o setor aéreo mostrava novamente como o preço do petróleo vinha impactando o desempenho das empresas. Com a queda dos preços da commodity, as ações do setor avançavam com fôlego.

Os papéis da Gol (GOLL4.SA) saltavam 10,58 por cento, para 18,18 reais, na maior valorização da sessão, seguida de perto pela TAM TAMM4.SA, que subia 6,36 por cento, aos 33,93 reais.

Na outra ponta, a JBS (JBSS3.SA) recuava 2,16 por cento, para 7,25 reais.

Entre as blue chips, a tendência também era de alta. As preferenciais da Petrobras (PETR4.SA), papel de maior peso do Ibovespa, subiam 0,18 por cento, para 32,95 reais. Os papéis da Vale (VALE5.SA) avançavam 1,26 por cento, para 36,15 reais.

O setor bancário também vinha com um forte volume de negociações. O Itaú ITAU4.SA apresentava alta de 2,26 por cento, cotado a 32,52 reais, no dia em que divulgou um lucro líquido de 2,041 bilhões de reais no segundo trimestre. Para ler mais detalhes, clique [nN05292216].

O Bradesco (BBDC4.SA), que divulgou seu balanço trimestral na véspera, tinha valorização de 2,40 por cento, para 31,20 reais.

Reportagem de Rodolfo Barbosa; Edição de Renato Andrade

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below