PETROBRAS fecha na Bahia 1o contrato flexível de entrega de gás

quarta-feira, 5 de dezembro de 2007 18:37 BRST
 

RIO DE JANEIRO, 5 de dezembro (Reuters) - A Petrobras (PETR4.SA: Cotações) assinou com a estatal Companhia de Gás da Bahia (Bahiagás) o primeiro contrato de fornecimento de gás natural nos novos termos de compromisso que pretende estender para outras distribuidoras.

Em cerimônia nesta quarta-feira em Salvador, a empresa assinou com a Bahiagás contrato que prevê três modalidades de fornecimento de gás natural, totalizando a entrega de 5,1 milhões de metros cúbicos por dia contra os 3,5 milhões de metros cúbicos por dia fornecidos atualmente.

O incremento foi possível pela entrada em operação do campo de Manati, na bacia de Camamu-Almada (BA), que adicinou 6 milhões de metros cúbicos diários à produção nacional, informou a Petrobras em um comunicado.

Uma crise no abastecimento de gás natural no final de outubro evidenciou a oferta restrita de combustível no país. Na época, a diretora de Gás e Enegria da estatal, Graça Foster, afirmou que tentava há meses fechar contratos com as distribuidoras para organizar o mercado.

O novo acordo prevê a venda de 3,5 milhões de metros cúbicos por dia em regime Firme Inflexível; 500 mil metros cúbicos por dia em regime Firme Flexível; e 1,1 milhão de metros cúbicos por dia em regime Interruptível.

"Este é o primeiro contrato assinado pela Petrobras com uma distribuidora estadual com diferentes regimes de contratação e inaugura a nova política comercial da companhia para o gás natural", informou a nota.

Na modalidade Firme Inflexível, a distribuidora assegura pagamento do volume adquirido e a Petrobras garante a entrega do volume de gás natural estabelecido.

No regime Interruptível, o fornecimento de gás pode ser interrompido apenas pelo fornecedor, de acordo com as condições previamente negociadas. Neste caso, o preço do gás natural tem um desconto em relação àquele de um contrato padrão Firme Inflexível.

Já na modalidade de contrato Firme Flexível, o fornecimento de gás natural pode ser interrompido, de acordo com as condições negociadas, e o supridor tem o compromisso de cobrir os custos adicionais decorrentes do uso de combustível substituto (geralmente óleo combustível).

"As novas modalidades de contratação permitem um planejamento mais eficiente da expansão do mercado de gás natural e garantem mais segurança ao abastecimento do Estado. O acordo com a distribuidora baiana terá prazo de duração de cinco anos, renováveis por igual período", informou a Petrobras.

(Reportagem de Denise Luna; Edição de Marcelo Teixeira)