Estratégias para 2o turno dominam conversas em BH

domingo, 5 de outubro de 2008 15:27 BRT
 

Por Marcelo Portela

BELO HORIZONTE, 5 de outubro (Reuters) - Os candidatos mais bem colocados nas pesquisas de intenção de voto para a prefeitura de Belo Horizonte já planejam estratégias para a campanha no segundo turno. O líder nas pesquisas, Márcio Lacerda (PSB), votou no início da tarde deste domingo, acompanhado de seus principais cabos eleitorais, o governador Aécio Neves (PSDB) e o prefeito Fernando Pimentel (PT).

"Se houver (o segundo turno) vamos politizar um pouco mais a campanha. Demonstrar com muita clareza que o Márcio representa muito mais que a eleição de um candidato de determinado partido", afirmou Aécio. "Representa a vitória de uma tese que é a tese da convergência que o Brasil inteiro acompanha com muita atenção" acrescentou, em referência à aliança entre tucanos e petistas em torno de Lacerda na capital mineira.

Aécio também considerou normal a realização do segundo turno. "Para nós, já é uma vitória chegarmos ao segundo turno. O Márcio nunca havia disputado uma eleição", avaliou o governador. "Só na reeleição do (Fernando) Pimentel não houve segundo turno em Belo Horizonte", completou.

Lacerda, por sua vez, avalia que a realização de segundo turno na cidade é culpa do que classificou como "campanha difamatória" dos adversários. "Tivemos queda na intenção de voto entre o eleitorado mais escolarizado por causa de campanha difamatória, de baixo nível, feita pela internet. Panfletos também. Mas estamos preparados para qualquer situação", disse Lacerda.

Já o candidato Leonardo Quintão (PMDB), confiante no segundo turno, afirma que pretende marcar audiência com o governador para falar sobre a campanha. Acompanhado do ministro das Comunicações, Hélio Costa, o candidato afirmou que quer se reunir com Aécio ainda esta semana.

"A expectativa é que as urnas confirmem a ida para o segundo turno e isso é resultado de trabalho nas ruas com o diferencial de conversar com cada eleitor que foi possível", disse Quintão.

Hélio Costa foi ainda mais longe e, com a certeza da participação do peemedebista no segundo turno, afirmou que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva ficará neutro na disputa. "O presidente não colocaria em risco o bom relacionamento com o PMDB no Congresso. O partido votou e aprovou todos os projetos do governo", ressaltou. O partido é o que tem a maior bancada no Congresso Nacional.

No fim da manhã, Quintão e o ministro seguiram para outra seção eleitoral, onde se encontraram com a candidata Jô Moraes (PCdoB), que acompanhava o voto do vice-presidente José Alencar (PRB), que faz aliança com o PCdoB na capital.   Continuação...