UE se afasta de meta de biocombustíveis e visa acordo com Brasil

sábado, 5 de julho de 2008 14:39 BRT
 

Por Pete Harrison

PARIS (Reuters) - Líderes de energia da União Européia cogitaram um acordo com o Brasil sobre biocombustíveis neste sábado, ao final de uma reunião de três dias em Paris, durante a qual eles se afastaram da controversa meta de biocombustíveis da região.

Apesar de não terem realizado propostas de mudanças concretas para a legislação de biocombustível, os ministros afirmam que a UE falhou em comunicar apropriadamente seus planos para fazer com que 10 por cento do combustível dos transportes terrestres venham de fontes renováveis, como os biocombustíveis, até 2020.

O ministro do Meio-Ambiente francês Jean-Louis Borloo disse que muitas pessoas entenderam erradamente que a meta significaria 10 por cento apenas de biocombustíveis.

Ele afirmou que a UE deixou claro que a meta também inclui veículos elétricos recarregáveis, usando eletricidade verde ou alimentados por hidrogênio --tecnologia em desenvolvimento que apesar de não poder ser utilizada nos dias de hoje pode ter um papel fundamental até 2020.

Há 18 meses, os biocombustíveis pareciam uma idéia ótima, mas seu valor agora não parece mais tão claro, acrescentou o ministro.

Ao se distanciar dos biocombustíveis, os ministros esperam dissipar o crescente criticismo de que a meta está contribuindo para o desflorestamento e está ajudando a pressionar os preços dos alimentos --já que parte crescente da produção agrícola é usada para fabricar biocombustíveis ao invés de alimentos.

"Nós precisamos decidir se a meta pode ser mantida", afirmou o secretário de Estado alemão Jochen Homann a jornalistas. "Ela pode ser modificada".

A França e a Itália também questionaram a meta na últimas semanas e a Inglaterra está avaliando uma meta própria, baseada nas metas da UE.   Continuação...