Demanda aquecida faz montadoras ampliarem previsões do ano

quinta-feira, 5 de junho de 2008 15:24 BRT
 

Por Alberto Alerigi Jr.

SÃO PAULO (Reuters) - O aquecimento do mercado brasileiro de veículos gerado pelo bom momento da economia fez a associação que representa as montadoras instaladas no país ampliar suas estimativas de desempenho para o ano, que já previam vendas e produção recordes.

O novo patamar em que trabalha a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) é de um crescimento das vendas de 24,2 por cento sobre 2007, para 3,060 milhões de unidades, contra estimativa anterior de vendas de 2,895 milhões. Já em termos de produção, os novos dados da entidade apontam para expansão de 15 por cento, para 3,425 milhões de veículos. Anteriormente, a expectativa era de alta para 3,235 milhões.

"A economia brasileira já está se apresentando em um novo patamar de tamanho e a indústria automotiva apresenta essa mesma lógica. A partir de maio do ano passado todos os nossos números começaram a indicar que entramos em um patamar novo de mercado interno, (com vendas) acima das 220 mil unidades", disse o presidente da Anfavea, Jackson Schneider, a jornalistas.

"Saímos de um patamar de mercado interno que se apresentou até o final do primeiro semestre do ano passado de menos de 200 mil veículos por mês e estamos em um patamar novo que deve se consolidar a partir de agora em mais de 220 mil ou 230 mil veículos por mês, apresentando um crescimento a partir de agora de uma maneira mais saudável, sem grandes saltos", acrescentou Schneider.

"O fundamental é que esse crescimento tem se dado sem desabastecimento do mercado, com preço do veículo dentro de um patamar adequado e investimentos importantes no sentido de aumentar a produção e atender a demanda", explicou. Ele citou que as montadoras têm 5 bilhões de dólares em investimentos anunciados este ano no país para aumentar a capacidade produtiva de 3,5 milhões para 3,85 milhões de veículos.

Em termos de exportações, a expectativa da Anfavea é de crescimento em valor de 7,4 por cento, para 14,5 bilhões de dólares, mas de queda de 1 por cento em unidades, para 780 mil. Segundo Schneider, o quadro reflete momento em que as montadoras estão vendendo no mercado externo veículos de maior valor.

Segundo ele, a interrupção no movimento de queda nos juros e de alta da inflação não tem surtido efeito no desempenho do setor ainda. "Por hora, não tem afetado o mercado a ponto de interromper decisões de investimento. O mercado vai se acomodar num crescimento mais paulatino, mais cadenciado."

O presidente da Anfavea explicou que como a base de comparação com o segundo semestre de 2007 é forte, os próximos seis meses não apresentarão crescimentos tão elevados quanto o acumulado de janeiro a maio, período em que as vendas internas avançaram 30,3 por cento sobre os cinco primeiros meses do ano anterior, para 1,15 milhão de unidades.   Continuação...