Citigroup ganha disputa judicial em batalha pelo Wachovia

domingo, 5 de outubro de 2008 12:01 BRT
 

Por Dan Wilchins

NOVA YORK, 5 de outubro (Reuters) - O Citigroup Inc (C.N: Cotações) informou que ganhou uma ação judicial na noite de sábado, impedindo o Wells Fargo & Co. (WFC.N: Cotações) de comprar o banco norte-americano Wachovia Corp WB.N até que o tribunal decida o contrário.

O Citigroup, que planejava comprar ativos bancários do Wachovia por 2,2 bilhões de dólares, afirmou que o juíz Charles Ramos, da Suprema Corte de Justiça de Nova York, concedeu um mandado de segurança estendendo o acordo com a Wachovia para negociar exclusivamente com o Citigroup.

O Citigroup e o Wells Fargo & Co. estão lutando pelo controle do sexto maior banco dos EUA, que foi atingido severamente pela turbulência no mercado global de crédito, causada pela crise das hipotecas, mas possui uma ampla rede de filiais.

O Citigroup, maior instituição bancária norte-americana, anunciou na segunda-feira que tinha concordado em comprar as operações bancárias do Wachovia em uma negociação apoiada pelo governo dos EUA. A transação não inclui um acordo de fusão, porém a Wachovia assinou um documento se comprometendo a negociar apenas com o Citigroup até o dia 6 de outubro.

Na sexta-feira, entretanto, o Wells Fargo disse que tinha firmado um acordo para comprar todo o Wachovia, incluindo a unidade de gestão de ativos e operações minoritárias, por cerca de 15 bilhões de dólares.

O Wachovia declarou na manhã de domingo que acredita que o acordo com o Wells Fargo é válido e oportuno, e irá favorecer os acionistas, empregados e contribuintes do país.

"O Citigroup sempre pode fazer uma oferta superior ao Wachovia", alegou a porta-voz Christy Phillips-Brown.

O Citigroup disse em um comunicado que está preparado para continuar negociando com o Wachovia, mas que o mesmo não poderia falar com outros.

Alguns advogados acreditam que o Citigroup pode ter um caso real, destacando o acordo de exclusividade e o fato de que o banco proporcionou suporte financeiro ao Wachovia na semana passada.

"Estes são claramente fatos sólidos por parte do Citi", declarou Morton Pierce, diretor do grupo de fusões e aquisições na firma de advocacia Dewey & LeBoeuf, na sexta-feira. A Dewey & LeBoeuf não está representando nenhuma das partes envolvidas na transação.