BCE vê empresas européias afetadas por cautela dos bancos

sexta-feira, 5 de outubro de 2007 11:42 BRT
 

Por Krista Hughes

FRANKFURT, 5 de outubro (Reuters) - Empresários e consumidores da zona do euro devem ter um acesso mais difícil a financiamento nos próximos meses, com os bancos tentando reforçar suas posições em meio à crise no mercado de crédito.

Uma pesquisa do Banco Central Europeu (BCE) mostrou que os bancos já apertaram as condições de crédito nos últimos três meses e planejam ser mais seletivos no próximo trimestre, especialmente para empréstimos a grandes negócios.

"O aperto reflete, provavelmente, a piora das condições do mercado global de crédito", afirmou o BCE na pesquisa com 87 bancos da zona do euro, que foi publicada um mês antes do comum.

"Olhando para o quarto trimestre de 2007, os bancos esperam um estreitamento adicional dos padrões de crédito, com efeito sobre os empréstimos às empresas."

A pesquisa é o primeiro dado concreto da zona do euro sobre como os padrões de crédito mudaram desde que a crise no mercado hipotecário dos Estados Unidos disparou um aperto global, com os bancos comerciais de todo o mundo segurando dinheiro e evitando emprestá-lo.

Muitos dos empréstimos norte-americanos mais arriscados foram reprocessados e vendidos para investidores institucionais, o que tornou difícil para os bancos da zona do euro saberem em quem confiar --especialmente depois que dois bancos alemães, o IKB e o SachsenLB, precisaram ser socorridos pelo setor.

A restrição dos padrões para os financiamentos às empresas foi a maior desde o começo de 2003, quando a perspectiva de crescimento econômico mais lento levou os bancos a ficarem mais cautelosos.

Cerca de 50 por cento dos bancos disseram que os eventos de mercado vão contribuir para um aperto nos próximos três meses nos padrões de crédito para grandes negócios. Nos últimos três meses, essa posição era compartilhada por 40 por cento dos bancos.

A pesquisa, que foi realizada até 27 de setembro, mostrou que os bancos foram afetados no terceiro trimestre por dificuldades de acesso a financiamento no mercado, seja a partir de outros bancos, de títulos de dívida de curto prazo ou de bônus de longo prazo.

(Reportagem adicional de David Milliken)