5 de Novembro de 2007 / às 10:21 / 10 anos atrás

PANORAMA1-Crédito assusta de novo e mercado segue cena externa

Por Juliana Siqueira

SÃO PAULO, 5 de novembro (Reuters) - A crise de crédito voltou a ganhar atenção dos investidores e o mercado brasileiros deve abrir a semana tentando se ajustar ao movimento das bolsas estrangeiras.

O relatório sobre a criação de postos de trabalho nos Estados Unidos, divulgado na sexta-feira, acabou sendo ofuscado por conta de novas informações desanimadoras sobre a situação de grandes instituições financeiras envolvidas no complicado segmento de empréstimos imobiliários de alto risco.

O Citigroup (C.N) informou que deve amargar novas perdas relacionadas aos empréstimos imobiliários. [ID:nN05230011]

A notícia, acompanhada do anúncio da saída do presidente-executivo da instituição, acabou arrastando as bolsas asiáticas e européias para o terreno negativo.

A semana conta ainda com o depoimento do chairman do Federal Reserve, Ben Bernanke, a um comitê do Congresso dos Estados Unidos, na quinta-feira.

Na audiência, membros do comitê perguntarão a Bernanke sua avaliação sobre os efeitos da crise imobiliária, grandes déficits comerciais, o enfraquecimento do dólar e sobre a saúde geral da economia norte-americana.

Os comentários de Bernanke serão importantes, já que neste momento o mercado tenta descobrir se o Fed cortará ou não o juro em dezembro, depois de reduzir a taxa em 0,25 ponto na última quarta-feira.

"Para mim, os dados e as circunstâncias sugerem que o Fed não precisa se comprometer e provavelmente tem tempo para ver em que direção os dados irão", disse Marvin Goodfriend, professor da Carnegie Mellon University em Pittsburgh.

"Foi natural para eles completar a medida de setembro (corte de 0,5 ponto) e também é muito claro que o Fed considera agora a taxa básica como neutra", acrescentou Goodfriend, ex-diretor de pesquisa do Federal Reserve de Richmond.

Outro evento importante nos Estados Unidos será a divulgação da produtividade do terceiro trimestre, na quarta-feira.

No Brasil, a semana conta com uma série de índices de inflação, sendo o mais importante o IPCA, na quarta-feira, e os dados de produção industrial, na terça-feira. Elas ajudarão o mercado a balizar suas apostas sobre o rumo do juro brasileiro.

Enquanto isso, a temporada de balanços esquenta no Brasil, com Bradesco (BBDC4.SA), Vivo VIVO4.SA e Cemig (CMIG4.SA) nesta segunda-feira.

O maior banco privado do país registrou no terceiro trimestre um lucro de 1,85 bilhão de reais, superando as estimativas dos analistas consultados pela Reuters. [ID:nN05307752].

O resto da semana também é agitado, com resultado de empresas como Itaú ITAU4.SA, TIM TCSL4.SA, Gerdau (GGBR4.SA) e Petrobras (PETR4.SA).

Se decepcionarem, pode incentivar realização de lucros na Bovespa, depois dos fortes ganhos dos últimos dois meses.

Para ler a agenda do dia, clique [nN05437503]

Veja como encerraram os principais mercados na quinta-feira:

CÂMBIO BRBY

O dólar terminou a 1,748 real, em alta de 0,58 por cento. O volume do segmento interbancário foi de 3,417 bilhões de dólares.

BOLSA .BVSP

O Ibovespa perdeu 1,94 por cento, a 64.050 pontos. O volume financeiro na bolsa foi de 5,9 bilhões de reais.

ADRs BRASILEIROS .BR20

O índice de principais ADRs brasileiros fechou em baixa de 3,04 por cento, aos 36.767 pontos.

JUROS <0#2DIJ:>

A maioria dos contratos de depósito interfinanceiro (DI) subiu na BM&F. O DI janeiro de 2009 avançou a 11,39 por cento, enquanto o DI janeiro de 2010 fechou a 11,62 por cento.

GLOBAL 40 BRAGLB40=RR

O título de referência dos mercados emergentes, o Global 40, caía para 134,2 por cento do valor de face no final da tarde, oferecendo rendimento de 5,5 por cento ao ano.

RISCO-PAÍS 11EMJ

No final da tarde, o risco Brasil subia 14 pontos, a 181 pontos-básicos. O EMBI+ estava em 199 pontos-básicos.

BOLSAS DOS EUA

O índice Dow Jones .DJI teve baixa de 2,60 por cento, a 13.567 pontos. O Standard & Poor's 500 .SPX caiu 2,64 por cento, a 1.508 pontos. O Nasdaq .IXIC retrocedeu 2,25 por cento, a 2.794 pontos.

TREASURIES DE 10 ANOS US10YT=RR

O preço dos títulos do Tesouro norte-americano de 10 anos, referência do mercado, subia e o rendimento recuava para 4,3 por cento no final da tarde.

Reportagem adicional de Silvio Cascione e Angela Bittencourt

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below