Opep decide manter nível atual de produção de petróleo

quarta-feira, 5 de março de 2008 08:47 BRT
 

Por Peg Mackey e Barbara Lewis

VIENA (Reuters) - A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) decidiu manter nos atuais níveis a produção da commodity e informou que os preços recordes do produto têm sido incentivados por uma série de fatores que estão além do controle da entidade.

O petróleo nos Estados Unidos atingiu recorde de 103,95 dólares o barril na segunda-feira e era negociado a mais de 100 dólares nesta quarta-feira. Os EUA afirmaram que mesmo um pequeno aumento da oferta ajudaria a conter os preços.

Mas os ministros da entidade têm repetidamente afirmado que o mercado está sendo levado para cima por fatores como a fraqueza do dólar, especulação e problemas políticos e não por causa de uma falta da commodity.

Depois de menos de duas horas de discussões, delegados da Opep informaram à Reuters que o grupo decidiu manter a atual produção de petróleo.

O ministro nigeriano de Petróleo, Odein Ajumogobia, informou mais cedo que acreditava que a produção ficaria estável, apesar de afirmar que o barril acima de 100 dólares cria uma situação desconfortável.

Mas a decisão desta quarta-feira não impede aumentos silenciosos na produção da Opep.

A Arábia Saudita tem consistentemente prometido manter o mercado bem abastecido por petróleo.

O ministro saudita de Petróleo, Ali al-Naimi, afirmou que o reino tem produzido 9,2 milhões de barris por dia, o que é cerca de 300 mil barris acima da meta formal de produção definida pela Opep.

E adicionando pressão à Opep, Washington afirmou na terça-feira que um modesto aumento de produção de 300 mil a 500 mil barris diários poderia acalmar os preços e ajudar a limitar qualquer dano econômico. A organização, integrada por 13 membros, volta a avaliar o mercado em encontro de produtores que será realizado entre 20 e 22 de abril, em Roma.

 
<p>Opep decide manter n&iacute;vel atual de produ&ccedil;&atilde;o de petr&oacute;leo .O presidente da Opep, Chakib Khelil participa de coletiva de imprensa na sede da organiza&ccedil;&atilde;o.  A entidade decidiu manter nos atuais n&iacute;veis a produ&ccedil;&atilde;o da commodity e informou que os pre&ccedil;os recordes do produto t&ecirc;m sido incentivados por uma s&eacute;rie de fatores que est&atilde;o al&eacute;m do controle da entidade. 5 de mar&ccedil;o. Photo by Heinz-Peter Bader</p>