Novo gigante da carne nos EUA, JBS enfrentará crivo antitruste

quarta-feira, 5 de março de 2008 17:30 BRT
 

Por Bob Burgdorfer

CHICAGO (Reuters) - As surpreendentes aquisições do brasileiro JBS no setor de carne bovina nos Estados Unidos terão de enfrentar o órgão antitruste norte-americano, segundo analistas, embora a empresa acredite que os negócios sejam aprovados sem a necessidade de desinvestimentos.

Na terça-feira, o JBS anunciou a compra das norte-americanas National Beef e da Smithfield Foods, além da companhia australiana Tasman.

"Isso irá certamente levantar questões com o Departamento de Justiça", afirmou Jim Robb, economista do Conselho de Informação de Negócios de Pecuária, após tomar conhecimento sobre o acordo.

Sem especificar quando os negócios poderiam ser concluídos, o presidente do JBS, Joesley Batista, afirmou acreditar que a companhia não terá de dispor de seus ativos para ver aprovadas as negociações.

"Estamos confiantes que iremos ser bem-sucedidos. Não estamos pensando em desinvestimentos", declarou em uma conferência para jornalistas e analistas estrangeiros, um dia depois do negócio que surpreendeu a indústria norte-americana de carne.

Se os acordos forem aprovados, a companhia com sede em São Paulo vai se tornar a maior em carne bovina do mundo, com 32 por cento do mercado norte-americano e 10 por cento em termos globais.

A Tyson Foods é atualmente a maior em carne bovina dos Estados Unidos. A empresa estima ter cerca de 25 por cento do mercado, mas essa participação deve ter caído recentemente, com a companhia encerrando atividades em um abatedouro com capacidade para 4 mil cabeças ao dia, em Emporia, Kansas.

Quando as aquisições estiverem concluídas, o JBS espera ter receitas mundo afora de 21,55 bilhões de dólares, contra atuais 12,7 bilhões de dólares.   Continuação...