RPT-Sucessão de Renan embola caminho da CPMF no Senado

quarta-feira, 5 de dezembro de 2007 08:17 BRST
 

(Repete matéria publicada na terça-feira)

Por Isabel Versiani

BRASÍLIA, 5 de dezembro (Reuters) - A corrida pela sucessão de Renan Calheiros (PMDB-AL) na presidência do Senado, iniciada minutos depois de o senador anunciar a renúncia ao cargo na terça-feira, ameaça complicar as delicadas negociações em torno da votação da renovação da CPMF.

A avaliação, expressa por parlamentares da base aliada e da oposição, é que a disputa pelo cargo contaminará as articulações políticas até então focadas exclusivamente na crucial aprovação da emenda constitucional da CPMF.

"É um elemento complicador, agora você tem uma disputa no meio da discussão", afirmou o líder do Democratas, José Agripino Maia (RN).

Renan renunciou ao cargo de presidente do Senado nesta terça-feira durante sessão que julga sua cassação. Desde outubro, quando Renan se licenciou do cargo, a presidência do Senado vinha sendo ocupada interinamente pelo senador Tião Viana (PT-AC).

Pela tradição, cabe ao PMDB, como partido de maior bancada, manter a presidência do Senado e, na legenda, o nome mais cotado é o de Garibaldi Alves (RN), que já foi cotado no passado para ocupar um ministério do governo Lula.

Pelo menos outros três senadores do partido, no entanto, --Neuto de Conto (SC), Valter Pereira (MS), José Maranhão (PB)-- já anunciaram que pretendem disputar a candidatura do partido.   Continuação...