5 de Dezembro de 2007 / às 19:38 / 10 anos atrás

ATUALIZA2-Após recorde, exportação de suco crescerá menos em '08

(Texto reescrito e atualizado com mais declarações)

Por Roberto Samora

SÃO PAULO, 5 de dezembro (Reuters) - Mesmo com um leve aumento no volume das vendas externas de suco de laranja em 2007, o setor exportador brasileiro bateu recorde de receita neste ano, mas espera uma diminuição do ritmo de crescimento em dólares no ano que vem, afirmou o presidente da Abecitrus (Associação Brasileira dos Exportadores de Cítricos).

Segundo Ademerval Garcia, obtendo preços mais altos e vendendo produtos de maior valor agregado, as exportações de suco de laranja devem render 2,3 bilhões de dólares em divisas ao país neste ano, alta de 57 por cento ante o valor de 2006.

Já as vendas em volumes de suco (equivalente congelado e concentrado), limitadas pela oferta de matéria-prima, subiram 7,5 por cento no mesmo período, para 1,4 milhão de toneladas.

“Não é só aumento de preços”, disse Garcia a jornalistas nesta quarta-feira. “Outro aumento (na receita) vem da (maior) participação do suco não-concentrado, que é mais caro. Outro valor agregado é o suco concentrado segundo especificações daquele cliente”, explicou ele sobre o aumento da receita.

De acordo com Garcia, “grande parte (desse aumento) é agregação do valor”. “Isso vai permanecer (em 2008). Aquilo que é aumento de preço, vai subir e descer em função da oferta ano que vem, que será melhor nos Estados Unidos do que este ano”, avaliou, admitindo que o salto em receita não deve se repetir.

Para o ano que vem, apesar do aumento da produção dos Estados Unidos, que vem em segundo no ranking dos exportadores atrás do Brasil, os preços internacionais devem continuar firmes, “porque o mercado está se expandindo”. Ele avaliou que o consumo global cresce a uma taxa de 3,8 por cento ao ano.

O executivo da Abecitrus informou ainda que o mercado chinês está perdendo importância para as indústrias brasileiras, pois a China aumentou a produção e o consumo não está crescento nos níveis esperados. “Eles tendem a se tornarem exportadores, vai depender do mercado interno.”

Garcia apontou também crescimento de vendas do Brasil para a Europa Oriental, com destaque para a Rússia, Sudeste Aiático e países da América do Sul. Já as exportações para os EUA tendem a cair, com a recuperação da safra da Flórida, depois que os pomares foram atingidos por furacões em anos recentes.

“Mas a queda nos EUA pode ser substituída pelo mercado europeu,” disse ele, comentando sobre o principal cliente do Brasil, que absorve cerca de 65 por cento do suco brasileiro.

PRODUÇÃO EM 2008

A indústria brasileira está ampliando as exportações de suco produzido em outros Estados do país, fora de São Paulo, que ainda assim produz mais de 90 por cento do produto exportado pelo Brasil.

Em 2007, mesmo com custos mais elevados para exportar pelo porto de Santos, o Brasil vendeu ao exterior 100 mil toneladas de suco produzido principalmente em Sergipe, Bahia, Rio Grande do Sul e Paraná, contra 70-80 mil toneladas em 2006.

“Há um movimento de responder à demanda de mercado”, disse ele, observando que a indústria paulista está fazendo parcerias com empresas em outros Estados.

A Abecitrus anunciou que ainda não é possível estimar a produção de São Paulo, que responde por 80 por cento da safra nacional. “Há muitos anos que não vejo um ano tão escuro em termos de previsão para o próximo”, disse ele, observando que há variáveis positivas, como o desenvolvimento tecnológico, e negativas, como o clima irregular.

Edição de Marcelo Teixeira

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below