Emirados Árabes cancelam quase US$7 bi da dívida iraquiana

domingo, 6 de julho de 2008 16:10 BRT
 

Por Lin Noueihed

DUBAI (Reuters) - Os Emirados Árabes Unidos (EAU) cancelaram quase 7 bilhões de dólares da dívida do Iraque, incluindo juros e obrigações vencidas e não pagas, tornando-se o primeiro país árabe do Golfo a perdoar quase toda a dívida do Iraque.

Os EUA vêm pressionando os governos dos países árabes a ajudar a recuperação do Iraque, unindo-se aos países ocidentais para perdoar sua parcela da dívida externa iraquiana, que totaliza quase 80 bilhões de dólares.

Washington também pede que as capitais árabes estabeleçam representações diplomáticas de alto nível em Bagdá.

Num passo em direção à redução do isolamento diplomático de Bagdá, os EAU nomearam no domingo, durante visita do primeiro-ministro iraquiano Nuri al Maliki, seu novo embaixador no Iraque. A iniciativa se deu um mês depois de o xeque Abdullah bin Zayed al Nahayan, dos EAU, tornar-se o primeiro chanceler de país árabe do Golfo a visitar Bagdá desde a invasão liderada pelos EUA em 2003.

A agência oficial de notícias dos EAU, WAM, anunciou que a dívida principal do Iraque com o país totaliza 4 bilhões de dólares em créditos concedidos em momentos diferentes.

Uma fonte diplomática dos EAU disse à Reuters que o valor total perdoado chega a quase 7 bilhões de dólares, incluindo juros e obrigações vencidas.

"A decisão dos EAU de cancelar a dívida acumulada pelo Iraque é uma expressão de fraternidade e solidariedade entre os dois países, visando ajudar o governo iraquiano a realizar seus planos de reconstrução e reabilitação", teria dito o presidente dos EAU, xeque Khalifah bin Zayed al Nahayan, segundo a WAM. Maliki, que deve visitar também o Barein, saudou a iniciativa, que, afirmou, vai ajudar seu governo a "restaurar a segurança e estabilidade", livrando-se de um grande ônus financeiro.

Nos últimos três anos, cerca de 66,5 bilhões de dólares da dívida externa total iraquiana, de 120,2 bilhões, foram perdoados. O Clube de Paris cancelou 42,3 bilhões de dólares, incluindo os 12 bilhões da Rússia.   Continuação...