PETROBRAS reavalia clonar projetos após movimento do TCU

segunda-feira, 6 de outubro de 2008 18:50 BRT
 

RIO DE JANEIRO, 6 de outubro (Reuters) - Questionamentos do Tribunal de Contas da União (TCU) poderão comprometer os planos da Petrobras de clonar projetos já existentes para acelerar a produção de plataformas. Segundo o gerente de Engenharia da estatal, Pedro Barusco, as clonagens em andamento não serão afetadas.

"São questionamentos que estão sendo analisados e você tem impacto natural em outros projetos que adotam a nova filosofia da empresa", disse Barusco a jornalistas após coletiva sobre o batismo da plataforma P-51, na terça-feira, em Angra dos Reis.

A clonagem foi uma estratégia adotada recentemente pela Petrobras para reduzir o tempo e custos de projetos de plataformas, refinarias, e até mesmo no Plangás (plano para expandir produção de gás no país). A plataforma P-56, por exemplo, será um clone da P-51.

A plataforma P-62, ainda não encomendada, seria um clone da P-54, construída pelo estaleiro Mauá-Jurong. Como os dois estaleiros se separaram, a Petrobras teme possíveis problemas jurídicos.

"Tem a questão de preço, a questão de contratar os mesmos Jurong e Mauá, e eles se separaram... houve uma série de questionamentos sobre a modalidade de contratação", disse Barusco, sem saber informar como e quando será construída a P-62.

(Reportagem de Denise Luna; Edição de Marcelo Teixeira)