BOLSA EUROPA-Bancos pesam novamente antes de decisões de juros

quinta-feira, 6 de março de 2008 08:48 BRT
 

Por Amanda Cooper

LONDRES, 6 de março (Reuters) - Os mercados europeus operavam em queda na manhã desta quinta-feira, antes de decisões de juros a serem divulgadas pelos bancos centrais Europa e de Londres. Alta em ações dos varejistas Carrefour (CARR.PA: Cotações) e Ahold AHLN.AS e valorização de papéis do setor de energia continha parte das perdas no setor bancário.

O índice FTSEurofirst 300 .FTEU3, que reúne as principais ações européias, tinha queda às 8h44 (horário de Brasília) de 0,23 por cento, a 1.298 pontos, depois de subir 1,7 por cento na véspera. O índice acumula queda de 14 por cento este ano, principalmente por causa de preocupações com a lucratividade do setor financeiro.

Os bancos formam novamente o setor de pior desempenho nos mercados, com os persistentes receios sobre a economia dos Estados Unidos e nervosismo antes das decisões do Banco Central Europeu e do Banco da Inglaterra sobre taxas de juros.

"O foco do dia estará em Trichet, que comentários ele fará e o que irá dizer a respeito de inflação e... crescimento", apontou Gerd Sonnenschein, analista de equities no Deutsche Postbank. A expectativa é de que os dois bancos centrais anunciem manutenção das atuais taxas de juros.

O presidente do BCE, Jean-Claude Trichet, falará em conferência de imprensa às 10h30 (horário de Brasília).

"A conferência de imprensa do BCE deve reenfatizar o estado de grandes incertezas econômicas e a dinâmina estagflacionária ganhando força na atividade da zona do euro, o que deixa o BCE num compasso de 'esperar para ver' com as taxas de juros provavelmente se mantendo em 4 por cento", afirmou Lena Komileva, economista no G7 em Tullett Prebon.

O HSBC (HSBA.L: Cotações) tinha um dos piores desempenhos do setor, caindo cerca de 1 por cento.

Na contramão, o setor varejista tinha um bom desempenho. As ações do Carrefour subiam 2,7 por cento depois que o maior varejista da Europa anunciou lucro acima do esperado em 2007 e afirmou que pretende retornar 4,5 bilhões de euros aos acionistas nos próximos anos.   Continuação...