JURO-Taxas fecham sem rumo comum; BC recolhe R$103 bi dos bancos

quinta-feira, 6 de dezembro de 2007 16:22 BRST
 

SÃO PAULO, 6 de dezembro (Reuters) - As projeções de juros terminaram a quinta-feira sem tendência comum, um dia após o Banco Central confirmar a manutenção da Selic, amplamente esperada pelo mercado financeiro.

O contrato de depósito interfinanceiro (DI) janeiro de 2010, o mais procurado no pregão, subiu de 12,35 por cento para 12,39 por cento ao ano.

Já o segundo mais demandado, DI janeiro de 2009, recuou de 11,72 por cento para 11,70 por cento.

No mercado aberto, o Banco Central recolheu 82,225 bilhões de reais das instituições, com retorno previsto em 24 de janeiro e taxa equivalente a 11,20 por cento ao ano. Outros 20,633 bilhões de reais foram recolhidos por um dia, também a 11,20 por cento ao ano.

O Tesouro vendeu 4,8 milhões de títulos prefixados em leilão, da oferta total de 4,95 milhões de papéis.

Os dois vencimentos de LTN ofertados (1,5 milhão com vencimento em janeiro de 2009 e 3 milhões para janeiro de 2010) foram vendidos integralmente, com taxa média de 11,7346 por cento e 12,4472 por cento, respectivamente.

No leilão de NTN-F, o lote com resgate em janeiro de 2013 não foi vendido. Os 150 mil papéis com vencimento em janeiro de 2011 saíram a 12,7565 por cento. A mesma quantidade de títulos, com vencimento em janeiro de 2017, foi vendida à taxa média de 13,0703 por cento.

A liquidação financeira dos leilões acontece nesta sexta-feira.

(Reportagem de Daniela Machado e Silvio Cascione; Edição de Alexandre Caverni)