Execução de hipotecas nos EUA dispara, desemprego permanece

quinta-feira, 6 de março de 2008 16:21 BRT
 

Por Joanne Morrison

WASHINGTON (Reuters) - As execuções de hipotecas nos Estados Unidos atingiram um recorde no último ano em meio à crise do mercado de hipotecas de alto risco (subprime) que está agora contabilizando suas perdas na economia como um todo e forçando muitos desempregados a se manterem com o auxílio-desemprego, mostraram dados nesta quinta-feira.

A Associação de Bancos de Hipotecas afirmou nesta quinta-feira que a taxa de inadimplência atingiu seu maior nível desde 1985 nos últimos três meses de 2007, influenciada principalmente pela onda crescente de tomadores subprime impossibilitados de realizar seus pagamentos.

Além disso, o Departamento do Trabalho relatou que o número de trabalhadores usando o auxílio-desemprego está no maior nível em mais de dois anos.

Para os varejistas, o cenário também não é muito favorável. O setor reportou resultados mistos nesta quinta-feira, com alguns sinais de aperto à medida que consumidores sem dinheiro estão preferindo pontas de estoque para poderem economizar.

"O epicentro da atual dificuldade da economia norte-americana é o setor imobiliário", disse John Lonski, economista-chefe da Moody em Nova York.

Dados divulgados separadamente pela Associação Nacional de Corretores de Imóveis mostrou que seu índice de contratos pendentes para a compra de imóveis usados ficou inalteraldo em janeiro. No entanto, analistas disseram que ainda é cedo para dizer que esses dados apontam para uma recuperação do mercado imobiliário.

"O mercado imobiliário ainda etá mal-humorado. Os níveis de estoques estão altos, a confiança dos compradores está baixa, e a perspectiva econômica está incerta", disse Mika Larson, analista imobiliária da Weiss Research na Flórida.

"O Federal Reserve está tentando aquecer a demanda do setor imobiliário com cortes nos juros. Mas a turbulência do mercado imobiliário e os poucos emprestadores estão frustrando estes esforços até agora", acrescentou ele.   Continuação...