Bolsas dos EUA despencam com saltos do desemprego e petróleo

sexta-feira, 6 de junho de 2008 18:34 BRT
 

Por Kristina Cooke

NOVA YORK (Reuters) - As bolsas norte-americanas despencaram nesta sexta-feira, marcando o pior dia do Dow em 15 meses, após o governo mostrar que a taxa de desemprego em maio teve o maior salto em 22 anos e os preços do petróleo atingirem um novo recorde, renovando os temores de que a economia dos Estados Unidos pode enfrentar uma estagflação, como ocorrido nos anos 1970.

O índice Dow Jones registrou uma série de números negativos. O índice caiu 3,13 por cento, a 12.209 pontos, sua maior queda desde fevereiro de 2007. Na semana, o Dow perdeu 3,5 por cento. Todos os 30 componentes do Dow fecharam a sexta-feira em queda.

Apenas 18 ações do Standard & Poor's 500 fecharam no azul. O índice despencou 3,09 por cento, para 1.360 pontos.

O Nasdaq perdeu 2,96 por cento, a 2.474 pontos.

Os dados sobre emprego e petróleo espantaram os investidores, que correram para o seguro terreno dos bônus do governo, diante das preocupações de que os lucros corporativos continuarão afetados por mais tempo do que o previsto.

Os preços do petróleo saltaram 11 dólares --a maior alta diária em dólar já registrada-- alimentando preocupações sobre a inflação e o poder de gasto dos consumidores, componentes chaves para o crescimento econômico. O petróleo atingiu um novo recorde com a fraqueza do dólar e tensões no Oriente Médio.

A General Electric e outros termômetros da economia caíram após o Departamento de Trabalho reportar que a taxa de desemprego de maio subiu para 5,5 por cento --seu maior nível desde outubro de 2004. O relatório mostrou que a economia perdeu empregos pelo quinto mês consecutivo.

Analista afirmaram que a queda do crescimento com as pressões de alta dos preços, que leva a estagflação, pode atar as mãos do Federal Reserve à medida que este tenta reerguer a economia.   Continuação...