ThyssenKrupp vê cenário otimista para aço em 2009

segunda-feira, 6 de outubro de 2008 09:43 BRT
 

Por Christiaan Hetzner

FRANKFURT, 6 de outubro (Reuters) - O presidente-executivo da divisão de aço do grupo industrial alemão ThyssenKrupp (TKAG.DE: Cotações) expressou confiança que os mecados emergentes manterão vivo o boom da indústria do aço no próximo ano apesar da desaceleração da economia global.

"Estamos confiantes. O otimismo é baseado em um cenário continuamente favorável para os mercados globais de aço", afirmou Karl-Ulrich Koehler, presidente-executivo da ThyssenKrupp Steel, em discurso em Washington, no sábado.

"Em particular, a demanda da Ásia, América Latina, Oriente Próximo e a região dos Estados Independentes dO Commonwealth vai crescer a um ritmo acima da média nos próximos anos e vai influenciar consideravelmente o mercado mundial", acresentou.

Os comentários do executivo foram os primeiros a surgir antes da abertura do congresso da federação global de aço IISI, um evento importante do setor que começa esta semana na capital norte-americana.

Isso pode animar investidores que venderam ações de siderúrgicas européias recentemente, com meio de que a demanda por aço vai cair com a redução da atividade das economias resultante da crise de Wall Street.

"As ações de siderúrgicas estão precificando um colapso total no preço do aço... a performance de agosto a setembro tem sido até agora a pior em 35 anos", escreveram analistas do Credit Suisse em relatório recente.

A líder da indústria mundial de aço, Arcelo Mittal (ISPA.AS: Cotações)(MT.N: Cotações), alimentou esses temores depois que afirmou em meados de setembro que estava se preparando para cortar a produção em até 15 por cento para manter os preços do aço.

Koehler, cuja divisão fornece produtos de aço plano de alta qualidade como bobinas a quente para clientes nas indústrias automotivas e de eletrodomésticos, informou que os negócios da companhia no ano fiscal encerrado em setembro de 2008 não vão se equiparar com o lucro recorde antes de impostos visto um ano antes.

O executivo informou que não há mais atrasos de construção na siderúrgica de placas que a companhia está erguendo no Brasil e em uma planta de pelotização nos Estados Unidos.