Produção cai mas indústria segue tendência de expansão

terça-feira, 6 de novembro de 2007 12:57 BRST
 

Por Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A produção industrial brasileira amargou uma queda de 0,5 por cento em setembro, mas economistas entendem que o movimento não representa uma mudança na trajetória de expansão do setor em 2007.

"A queda de setembro vem após vários meses de crescimento contínuo. Isso é uma acomodação. É natural que um processo sucessivo de crescimento tenha um momento de acomodação", afirmou Isabella Nunes, economista do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), responsável pelo levantamento.

Analistas já esperavam uma desaceleração na atividade industrial, depois do avanço de 1,3 por cento em agosto, mas o desempenho acabou ficando aquém das expectativas. A mediana das previsões coletadas pela Reuters apontava para um avanço de 0,10 por cento na produção. A queda verificada foi a maior desde setembro do ano passado, quando a produção mensal caiu 0,6 por cento.

O menor número de dias úteis em setembro frente a agosto foi um fator que contribuiu para a queda da atividade industrial.

"Foi um mês magro. A diferença de dias (quatro) foge ao comportamento padrão", afirmou Nunes do IBGE.

"A queda de setembro é vista como pontual e não altera a expectativa de manutenção de um quadro de atividade econômica aquecida, impulsionada, sobretudo, pela demanda interna", afirmou a Tendências Consultoria em nota.

ANO FORTE

Apesar da freada, a produção em setembro ficou 5,6 por cento acima do verificado no mesmo período do ano passado. No ano, o ganho é de 5,4 por cento, e nos últimos 12 meses a produção do setor acumula alta de 4,8 por cento.   Continuação...