Chefe do Bird diz que G7 não é mais efetivo e chama emergentes

segunda-feira, 6 de outubro de 2008 13:27 BRT
 

WASHINGTON, 6 de outubro (Reuters) - O G7, grupo dos sete países mais ricos, não é mais eficaz e deve ser substituído por um grupo de direção que inclua poderes econômicos emergentes, como a China, a Índia e o Brasil, disse Robert Zoellick, presidente do Banco Mundial, nesta segunda-feira.

Em um discurso antes de reuniões de líderes do setor financeiro em Washinton este final de semana, Zoellick disse que a crise financeira dos Estados Unidos é uma "aviso para despertar" e mostrou que a cooperação entre um grupo mais amplo de países é necessária.

"O grupo não está funcionando", disse Zoellick, em referência ao G7, que inclui os Estados Unidos, o Canadá, a Grã-Bretanha, a Alemanha, a França, a Itália e o Japão. "Nós precisamos de um grupo melhor para tempos diferentes."

"O novo multilateralismo, ajustado aos novos tempos, terá de ser uma rede mais flexível, não um sistema fixo nem unitário", disse Zoellick. "Este grupo precisa maximizar as forças de interconexão, atores e instituições que se sobrepõem, públicas e privadas", acrescentou.

Ele disse que o grupo de direção deve incluir ministros das Finanças da China, da Índia, do Brasil, da África do Sul, da Arábia Saudita e da Rússia. Entretando, não deveria ficar restrito a um número de países, mas deve ser flexível e evoluir ao longo do tempo.

(Reportagem de Lesley Wroughton)