PANORAMA2-Preocupação diminui e mercado aproveita alívio

terça-feira, 6 de novembro de 2007 19:14 BRST
 

Por Silvio Cascione

SÃO PAULO, 6 de novembro (Reuters) - A preocupação com o setor financeiro global esfriou um pouco nesta terça-feira e os investidores puderam recuperar o apetite pelo risco nos mercados internacionais.

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), com alta de mais de 2 por cento, e o dólar, que fechou na mínima desde março de 2000, refletiram no Brasil a melhora do humor externo.

A falta de notícias negativas de peso sobre os bancos trouxe alívio para o mercado. Os investidores haviam se assustado recentemente com a queda dos presidentes da Merrill Lynch e do Citigroup, e também com a perspectiva de rombos bilionários nos balanços dos bancos por conta da crise no mercado de crédito de alto risco (subprime).

Com as nuvens negras mais distante, o mercado acionário em Nova York aproveitou os recordes do petróleo para subir no embalo do setor de energia. Nos Estados Unidos, o petróleo chegou a ser cotado acima de 97 dólares por barril.

Durante a tarde, os índices em Wall Street chegaram a cair, por conta de uma avaliação negativa sobre a Microsoft (MSFT.O: Cotações), feita pelo Goldman Sachs.

No Brasil, o mercado de juros futuros acompanhou a queda do dólar e viu a maioria dos contratos em queda na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F). Os negócios foram influenciados também pela diminuição da produção industrial em setembro.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a produção industrial teve queda de 0,5 por cento em setembro. O resultado, porém, não foi interpretado por economistas de forma negativa.

"Vejo o resultado apresentado pelo IBGE como uma tomada de fôlego da indústria. A produção vinha crescendo há meses. Portanto, este pode ser visto como momento de acomodação", disse Thais Marzola Zara, economista da Rosenber & Associados.   Continuação...