Itaú tem lucro maior no 1o tri e mantém projeções para 2008

terça-feira, 6 de maio de 2008 15:22 BRT
 

Por Alberto Alerigi Jr.

SÃO PAULO (Reuters) - O Itaú obteve no primeiro trimestre lucro líquido de 2,04 bilhões de reais, avanço de 7,5 por cento sobre igual período de 2007. O balanço foi influenciado por um aumento expressivo na carteira de crédito e por um avanço menor na receita com prestação de serviços.

A previsão para o crescimento da carteira de crédito em 2008 foi mantida entre 25 e 30 por cento e o banco avalia fazer captações de recursos no exterior no decorrer do ano após a elevação do Brasil a grau de investimento na semana passada pela agência Standard & Poor's.

O diretor de controladoria do Itaú, Silvio de Carvalho, disse que "estaremos mais presentes no mercado internacional em termos de captação de recursos", mas evitou fazer previsões sobre quando e montantes de possíveis operações. O Itaú já era grau de investimento antes da elevação do Brasil e teve nota melhorada com o avanço do conceito do país.

Além disso, o executivo afirmou que grandes empresas do país também devem se voltar mais ao exterior em busca de recursos por conta das vantagens oferecidas pela melhora da classificação brasileira.

Apesar do crescimento no lucro, as ações do Itaú recuavam 3,8 por cento no início desta tarde afetadas por realização de lucro, segundo analistas consultados pela Reuters.

"Operacionalmente veio bem, o resultado recorrente veio em linha com o que esperávamos. A queda nas ações deve-se provavelmente à realização de lucros porque na semana passada elas subiram bem", disse Lia da Graça, analista do Banif Investment.

O banco, segundo maior privado do país, encerrou o primeiro trimestre com uma carteira de 137,7 bilhões de reais ante 101,07 bilhões de reais registrados um ano antes. As áreas de destaque foram financiamento para veículos e cartão de crédito, no segmento pessoa física; e micro, pequenas e médias empresas, na área de pessoa jurídica.

"O primeiro trimestre foi um crescimento até atípico em relação a anos anteriores, normalmente o primeiro trimestre é menos ativo em operações", disse Carvalho, citando que isso reflete um quadro de crescimento "bastante expressivo da economia brasileira".   Continuação...