BOLSA EUROPA-UBS ofusca alta de commodities e mercados caem

terça-feira, 6 de maio de 2008 08:41 BRT
 

Por Blaise Robinson

PARIS, 6 de maio (Reuters) - As principais bolsas européias operavam em queda na manhã desta terça-feira, derrubadas pelo banco suíço UBS UBSN.VX, que revelou um grande plano de demissão e prejuízo que ofuscou um rali nas ações de mineradoras decorrente do alto preço de commodities.

Às 8h39 (horário de Brasília), o índice FTSEurofirst 300 .FTEU3, que acompanha as principais empresas da Europa, tinha desvalorização de 0,9 por cento, para 1.346 pontos. O índice recuou 0,3 por cento na segunda-feira com um giro reduzido pelo feriado na Inglaterra.

A Tullow Oil (TLW.L: Cotações) disparava mais de 20 por cento depois que a empresa afirmou que suas operações marítimas em Gana atingiram uma significativa coluna de petróleo leve, indicando que seu campo Jubilee na área é maior que o esperado.

A Adidas ADSG.DE subia 5,42 por cento depois que a empresa alemã de produtos esportivos apresentou lucro líquido trimestral com crescimento de aproximadamente 30 por cento.

"O mercado tem sido resistente, mas os ingrediente para uma mercado forte não estão presentes", afirmou Jean-Francois Virolle, estrategista-chefe na Global Equities, em Paris.

"Não creio que a crise global de crédito tenha realmente acabado. Os bancos têm se recuperado ante suas baixas, mas a questão é: eles estão realmente em trajetória de recuperação? Eu não me surpreenderia de ver outras queda da crise."

O UBS despencava 4,8 por cento. O banco afirmou que irá cortar 5,5 mil empregos, quase 7 por cento de sua força de trabalho, e que possui um acordo preliminar com a gestora norte-americana de ativos BlackRock para vender um portólio de 15 bilhões de dólares em hipotecas de alto risco. A instituição também divulgou queda acentuada nos fluxo de capital de clientes abastados.

A Swiss Re RUKN.VX, maior resseguradora do mundo, perdia 5,4 por cento depois que a instituição divulgou uma queda de 50 por cento no lucro líquido, acima do esperado, e anunciou uma nova baixa contábil de 819 milhões de francos suíços (776,3 milhões de dólares).   Continuação...